“Vamos votar!”, disse Clinton a cerca de 40 mil apoiantes, a maior mobilização de apoiantes que conseguiu durante a campanha.

A candidata à Casa Branca pelo Partido Democrata pediu aos eleitores para as eleições de hoje não deixarem qualquer dúvida ao seu rival do Partido Republicano, Donald Trump, que admitiu a possibilidade, durante a campanha, de não reconhecer os resultados.

“[Mostrem] que não há dúvida sobre o resultado destas eleições”, vincou Clinton, num comício em que estiveram também o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, a primeira-dama do país, Michelle Obama, e o ex-Presidente Bill Clinton.

Hillary Clinton insistiu que propõe políticas inclusivas, “um lugar para todos”, ao contrário de Donald Trump.

“Não queremos afundar a visão deste país. Queremos torná-la maior”, afirmou, dizendo que não permitirá que “ninguém destrua o progresso” que os EUA conseguiram durante os mandatos de Obama e que está convencida de que “os melhores dias” do país ainda estão por chegar.

Este comício de Filadélfia marcou o fim da campanha de Clinton à Casa Branca, mas a candidata ainda guardou a última aparição pública antes do início do dia de votações para Raleigh, no estado da Carolina do Norte.

Hillary Clinton chega ao dia da votação à frente nas sondagens, mas com pouca diferença em relação a Donald Trump.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.