No Tribunal de Braga, no início do julgamento, o arguido, de 52 anos, disse que, por causa dos problemas de saúde dele e da mulher, e das consequentes dificuldades financeiras do casal, perdeu as “estribeiras” e começou a traficar a partir daquela loja, explorada pelo filho.

“Perdi as estribeiras, fiz asneiras, tenho vergonha do que fiz, estou arrependido”, afirmou.

Segundo a acusação, o tráfico decorreu entre inícios de 2016 e março de 2017, altura em que o arguido foi detido pelo Núcleo de Investigação Criminal da GNR de Barcelos.

Em finais de março de 2017, a GNR realizou cinco buscas, quatro em residências em Joane e em Vila Nova de Famalicão e uma no estabelecimento comercial em causa.

Na casa do suspeito, a GNR apreendeu dinheiro, num total de 900 euros.

A operação resultou ainda na apreensão de haxixe suficiente para 1.500 doses.

No processo, é também arguido um outro indivíduo, que hoje não compareceu ao julgamento.

Este arguido colaboraria no tráfico, a troco de “cigarros”.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.