Arménio Carlos disse hoje à agência Lusa que se reuniu com os responsáveis da Carris na quarta-feira, e ficou combinado que se apresentaria ao serviço na quarta-feira da próxima semana.

Nessa data, o ex-sindicalista começará por se apresentar ao departamento de pessoal da Carris e depois irá para o seu local de trabalho, na Musgueira, onde vai integrar a equipa que organiza e distribui o trabalho naquela estação central da Carris.

O ex-sindicalista deixou a liderança da CGTP no seu último congresso, determinado a voltar ao seu trabalho na Carris, porque se considera um trabalhador como os outros, apesar de se ter dedicado ao sindicalismo a tempo inteiro durante cerca de 35 anos.

Aos 64 anos, saiu por limite de idade, depois de oito anos como secretário-geral da CGTP, com a convicção de que ainda pode contribuir para a resolução dos problemas laborais da Carris, onde começou a trabalhar como eletricista em 1974.

A CGTP tem uma regra que não permite manter dirigentes em idade de reforma, ou em situação de reforma ou pré-reforma mesmo sem os 66 anos. Ou seja, os sindicalistas não se podem candidatar a um novo mandato quando têm a perspetiva de atingir a idade de reforma nos quatro anos seguintes.

A decisão de voltar à Carris foi uma opção refletida, segundo disse à Lusa, pois podia ter avançado já para a reforma dado que tem uma carreira contributiva de 46 anos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.