Devemos falar de Indústria 4.0 ou de Revolução 4.0? A pergunta é ponto de partida para uma conversa com António Bob dos Santos, administrador da Agência Nacional de Inovação, cuja missão é apoiar a inovação tecnológica e empresarial em Portugal. O desafio, porém, é pensar como as empresas (e a sociedade) vão mudar — na forma como produzem, comunicam e interagem entre si e com o consumidor final — ao longo dos próximos anos, do Estado às Pequenas e Médias Empresas.

Falar de indústria 4.0 mais não é do que falar sobre a digitalização das empresas e a introdução de tecnologia de ponta, como a robótica, inteligência artificial e algoritmos, nos seus processos produtivos. A expectativa é de empresas mais produtivas, mais rentáveis, com melhores serviços; os receios estão normalmente associados à destruição de emprego. Bob dos Santos olha para um copo meio cheio e responde que "daqui a 2, 3, 5, 10 anos vamos ter profissões que hoje nem imaginamos e vamos ter novas oportunidades para trabalhadores que neste momento estão a desempenhar funções que vão sendo desatualizadas".

Assim, coloca como principal desafio a formação e a requalificação: "Não basta eu, como empresa, ter uma impressora digital [3D] ou uma tecnologia que permita um fluxo melhor do stock. Se não conseguir utilizar as tecnologias da melhor forma ou se não conseguir ter pessoas que lidam com essas tecnologias, muito dificilmente a minha empresa será produtiva", assinala.

Antes de mais, é preciso que "o nosso sistema de educação e formação consiga antecipar as necessidades e os perfis profissionais necessários daqui a 10 anos e que têm de já começar a ser formados [agora]", diz. Depois, é necessário "voltar a requalificar essa requalificação, porque os movimentos tecnológicos são tão rápidos que são necessárias metodologias flexíveis e adaptativas".

Mas ninguém inova sozinho. É preciso que Estado, empresas e ensino trabalhem lado a lado e há bons exemplos em curso, alguns dos quais partilhados por António Bob dos Santos ao longo desta conversa — do calçado ao têxtil, só para referir setores mais tradicionais.

De olhos postos no futuro, acredita que a criatividade é uma carta de peso para "trazer maior vantagem competitiva às empresas e aos países". Assim, "se fosse uma empresa", diz, "o que eu quereria era ter trabalhadores não só o mais qualificados possível, mas, mais do que isso, ter pessoas com a criatividade necessária, ou com as condições para que essa criatividade possa ser aplicada no desenvolvimento de soluções que vão ao encontro de problemas que existem na sociedade".

E vamos continuar a falar de Indústria 4.0 na próxima década? É uma "buzzword", responde. Como tal, será substituída por outra "para enquadrar as transformações e as realidades tecnológicas que existirão daqui a 10 anos e que são difíceis de prever". 



Vamos começar a nossa conversa com uma pergunta que é a mais simples de todas. Que revolução é esta? Que revolução 4.0, que indústria 4.0 é esta que estamos a falar?

É uma boa questão, embora não seja a mais simples de responder. Eu não gosto muito do termo revolução tecnológica, porque revolução tecnológica implica uma alteração profunda no paradigma socioeconómico, fruto de disrupções tecnológicas. Eu gosto mais de usar o termo “indústria 4.0”, porque indústria 4.0 tem a ver com a introdução destas novas tecnologias, da digitalização, da robótica, nas empresas, e uma revolução tecnológica implica uma alteração profunda de desenvolvimento tecnológico e das empresas, em relação ao paradigma existente. Há economistas que estudam muito esta questão das revoluções tecnológicas, estou-me a lembrar da Carlota Perez, uma economista venezuelana que refere que talvez estejamos a caminhar para uma quarta revolução tecnológica, mas muito mais baseada nas tecnologias limpas. Para dar um exemplo, a forma como se produzem automóveis baseados em tecnologias limpas, automóveis elétricos ou baseados em hidrogénio, vai alterar profundamente a estrutura produtiva desse setor. Ou seja, uma sociedade baseada em combustíveis fósseis é completamente diferente de uma sociedade baseada em combustíveis não fósseis, aí sim podemos falar em revolução tecnológica. Voltando à questão da Indústria 4.0, esta essencialmente tem a ver com a forma como as empresas, como as entidades que estão no mercado, comunicam, trabalham e interagem sobre si usando estas tecnologias que vão sendo introduzidas, e isso sim tem impacto significativo ao nível da sua performance, produtividade, ao nível dos seus custos e produtividade. Por isso, só para concluir, sou muito mais adepto do termo Indústria 4.0, do que de quarta revolução Industrial.

"Uma sociedade baseada em combustíveis fósseis é completamente diferente de uma sociedade baseada em combustíveis não fósseis, aí sim podemos falar em revolução tecnológica"

Uma das perguntas que geralmente surge quando falamos destas revoluções, ou destas novas etapas industriais, tem a ver com uma preocupação ligada ao emprego e a uma criação ou destruição de empregos. Todas as vagas de industrialização que passámos ao longo do tempo tiveram empregos que ficaram para trás e criaram novos empregos. Podemos ter a expectativa de que a história se vai repetir, ou seja, provavelmente alguns empregos deixarão de fazer sentido, mas novos empregos serão criados?

Sim, embora eu não seja muito apologista do determinismo histórico, os dados que nós temos das outras transformações tecnológicas mostram que houve muitos empregos que foram destruídos, é verdade, mas mostram também que muitos empregos foram criados, que profissões novas foram criadas na sequência do desenvolvimento de novas áreas de serviço, das novas áreas mesmo industriais, que requerem novas competências, novas profissões e novas formas que resultem da nova organização do trabalho. A minha expectativa é que toda esta transformação industrial — e quando falo em industrial é no sentido mais lato, não só da indústria, mas atividades económicas resultantes da introdução destas tecnologias da robótica, da inteligência artificial, por exemplo — significa que daqui a 2, 3, 5, 10 anos vamos ter profissões que hoje nem imaginamos e vamos ter novas oportunidades para trabalhadores que neste momento estão a desempenhar funções que vão sendo desatualizadas, mas também [vamos ter oportunidade de] integrar no mercado de trabalho jovens que estão neste momento a começar ou a terminar o seu ciclo de estudos em profissões que ainda não existem. E aí está o desafio: que o nosso sistema de educação e formação consiga dar resposta e consiga antecipar as necessidades e os perfis profissionais necessários daqui a 10 anos e que têm de já começar a ser formados para dar resposta às necessidades do mercado. Eu sou mais otimista, eu acho que vamos ter mais oportunidades de emprego, vamos ter profissões que exigem novas competências, um pouco diferentes das atuais, e também vai ser um desafio para as políticas públicas, [de perceber] de que forma é que estas conseguem dar resposta, em colaboração com as empresas e com o mercado.

Eu sou mais otimista, acho que vamos ter mais oportunidades de emprego

Colocando na indústria 4.0 ou nesta mudança de paradigma um fardo que é pesado demais para a indústria apenas, , uma das perguntas que eu gostava de fazer tem a ver com o tema da requalificação. Andamos a falar de requalificação desde os anos 90 porque entretanto o mundo acelerou muito o passo, a Internet mudou uma série de setores de forma radical, mas nesta nova fronteira que temos agora de produção, esta requalificação é fundamental para um conjunto de pessoas que estão a meio da vida ativa, numa tendência demográfica que nos mostra que estamos a viver cada vez mais anos e que a reforma também é cada vez mais tarde. Como é que este processo de requalificação está a ser pensado naquilo que, pelo menos do vosso lado enquanto Agência Nacional de Inovação, conhecem?

Essa é uma questão muito importante para a introdução e a absorção destas novas tecnologias pelo sistema produtivo e pelas empresas. É preciso não esquecer que quando uma empresa está a funcionar de uma determinada forma, e de repente começa a funcionar com processos mais avançados tecnologicamente, como a inteligência artificial ou a robótica ou a produção aditiva, estamos a falar de tecnologias que requerem competências para as quais os trabalhadores atuais não estão muitas vezes preparados. Esse é o desafio, não só do lado das políticas públicas, mas também das empresas, porque as políticas públicas, ao contrário do que acontecia há 10 ou 20 anos, não podem mais desenhar instrumentos de formação ou requalificação sem a colaboração muito próxima das estruturas produtivas, ou seja, das empresas e dos trabalhadores. Hoje em dia, na formação, mais do que processos de requalificação de longo prazo, são necessários instrumentos que permitam dar respostas em espaços de tempo muito curtos de requalificação, voltar a requalificar essa requalificação, porque os movimentos tecnológicos são tão rápidos que são necessárias metodologias flexíveis e adaptativas, mas que impliquem necessariamente um trabalho muito próximo entre as empresas e as políticas públicas — o que não é muito nossa tradição, ao nível europeu. Temos uma estratégia de políticas públicas tradicionalmente muito top down [do topo para a base], mas cada vez mais estamos a assistir as empresas e universidades a colaborem umas com as outras, definindo melhor quais são os currículos e as competências que vamos ter daqui a 5 ou 10 anos. Mas mesmo esses exercícios conjuntos podem falhar, porque o que se pensa que serão competências necessárias daqui a 5 ou 10 anos, muitas vezes daqui a 2 ou 3 anos será necessário rever, porque a evolução tecnológica é tão grande e as necessidades são tão imprevisíveis que muitas vezes essas estratégias que são pensadas atualmente podem rapidamente ser desatualizadas. Por isso, eu diria que é necessário para responder a este desafio que as empresas, os trabalhadores e as políticas públicas atuem de forma concertada e coordenada para definir as metodologias e estratégias que permitam dar resposta às novas necessidades de perfis e competências que vão surgindo daqui a 1, 2, 3 ou 5 anos.

"Tradicionalmente, a indústria do calçado tornava-se mais competitiva por uma questão de escala. Neste momento, as tecnologias ligadas à indústria 4.0 permitem produzir pequenas escalas e personalizar o calçado (...) a um preço muito competitivo"

Vamos entrar nas histórias concretas, que se calhar torna tudo mais fácil e evidente para quem está mais fora do assunto. Quais são os bons exemplos? Quais são as boas histórias que temos para contar? 

Felizmente temos muito bons exemplos. Na Agência Nacional de Inovação um dos trabalhos que estamos a fazer é exatamente divulgar e promover estes exemplos através de um conceito de storytelling, isto é, contar histórias à volta da introdução destas tecnologias nas empresas e o seu impacto, porque contando histórias as pessoas percebem melhor do que é que estamos a falar e também a importância deste tipo de tecnologias. Assim de repente estou-me a lembrar, e pegando em setores tradicionais, na questão do calçado. É um bom exemplo porque durante muito tempo sofreu um processo de restruturação e hoje em dia é um dos setores mais competitivos de calçado a nível global. Tem havido felizmente colaboração muito próxima entre o Centro Tecnológico do Calçado de Portugal, empresas e também o sistema científico. Estou a lembrar-me de um caso concreto de trabalho do INESC TEC, no Porto, com uma empresa de calçados que é a Kyaia, que é mais conhecida por ter a marca de calçado Fly London, mas que desenvolveu uma tecnologia que permite ter um processo produtivo para desenvolver pequenas quantidades e pequenas séries de calçado.

Tradicionalmente, a indústria do calçado tornava-se mais competitiva por uma questão de escala. Neste momento, as tecnologias ligadas à indústria 4.0 permitem produzir pequenas escalas com um custo muito baixo e permitem personalizar o calçado, podendo facilmente escolher-se a cor, o tipo de material, o formato e assim ter um sapato único que não existe em mais nenhuma parte do mundo e a um preço muito competitivo. Esta tecnologia foi desenvolvida em colaboração com uma empresa e com uma instituição do sistema científico, e é um bom exemplo de como esta tecnologia de digitalização e de personalização, que é também uma tendência e um resultado deste processo da chamada indústria 4.0, permite tornar mais competitiva uma empresa em determinado segmento — e com isso chegar a novos públicos e vender cada unidade de sapato a um preço muito mais competitivo. Este é um bom exemplo, mas temos vários outros na área do setor automóvel ou em áreas menos tradicionais.

Mas voltando a um setor mais tradicional, na área têxtil está a conseguir-se desenvolver tecidos inteligentes incorporando sensores, fazendo a ponte com outra área muito importante que é a da saúde. De que forma a nossa roupa, utilizando tecnologias da área da indústria 4.0, consegue antever não só comportamentos que temos, mas também que nos consegue transmitir informações para tomarmos as melhores decisões? Por exemplo, nós podemos ter um tecido que tenha sensores e que consiga medir a nossa pressão arterial ou sanguínea e dizer-nos que neste momento não é muito aconselhável fazer determinado tipo de exercício ou consumir determinado tipo de alimento porque pode aumentar a nossa pressão arterial, por exemplo. Isto não é ficção, isto é realidade: nós temos tecidos inteligentes com sensores que medem determinados parâmetros e que já são produzidos em Portugal. Aliás, nós temos um segmento de têxteis técnicos em Portugal que tem sido desenvolvido na última década ou na última década e meia e que tem vendido e produzido este tipo de têxteis e tecidos para as indústrias mais avançadas que conhecemos, desde a indústria automóvel até à aeronáutica ou aeroespacial. São bons exemplos de como este tipo de tecnologia aplicada a setores mais tradicionais, como o têxtil ou calçado, pode melhorar o nosso dia-a-dia. Claro que ainda não estamos a falar de uma massificação e de uma utilização corrente, mas são tecnologias que estão a ser vendidas para áreas de ponta e que muito em breve podem melhorar o nosso dia-a-dia.

Podemos ter um tecido que tenha sensores e que consiga medir a nossa pressão arterial ou sanguínea e dizer-nos que neste momento não é muito aconselhável fazer determinado tipo de exercício ou consumir determinado tipo de alimento porque pode aumentar a nossa pressão arterial, por exemplo. Isto não é ficção, isto é realidade

Uma das questões que está muito próxima da indústria 4.0 é a da economia circular. À data de hoje, com a tecnologia que existe, já é possível não ter que ter em armazém um conjunto de produtos que nunca seriam vendidos e fazer uma gestão otimizada daquilo que vai sendo pedido às empresas no mercado. Esta mudança ainda é só incipiente?

A perceção que eu tenho é que começa já a ser mais frequente, principalmente nas novas empresas, não só nas startups, mas nas empresas mais recentes que foram criadas ou que nascem já neste universo da indústria 4.0, dos sensores, da robótica, e que já têm um mecanismo e um fluxo produtivo muito voltado para esse tipo de questões. Estou-me a lembrar de uma empresa que produz calçado e que exporta quase a totalidade do calçado. [Esta empresa] produz sapatos personalizados, mas não tem nenhuma fábrica nem stocks. Eles têm uma tecnologia que permite a cada pessoa personalizar o seu sapato e subcontratam empresas que depois lhes produzem e mandam os sapatos, que por sua vez são exportados através de fontes eletrónicas para todo o mundo. Ou seja, empresas que produzem, mas não têm necessariamente que ter toda a cadeia de produção ou domínio dos stocks.

Hoje em dia as tecnologias na indústria 4.0 permitem mesmo às empresas tradicionais ter uma gestão mais eficiente do stock e de toda a cadeia produtiva, porque ter stocks implica custos, físicos, de transportes, etc. E, hoje em dia, a personalização dos produtos permite que o tempo entre a encomenda e o momento em que o produto é distribuído no mercado e chega ao consumidor final seja muito mais curto, ao contrário do que acontecia há 20 anos, em que entre o momento da encomenda e o momento em que o cliente recebia o produto podiam passar-se semanas ou meses. Agora há produtos que num dia ou em poucas horas eu consigo ter feito do zero, personalizado, e isso tem muito a ver com a questão da introdução — e da boa utilização — das tecnologias ligadas à indústria 4.0. Mas não basta, como empresa, ter apenas uma impressora digital ou ter uma tecnologia que permita um fluxo melhor do stock. Se eu não conseguir utilizar as tecnologias da melhor forma ou se não conseguir ter pessoas (lá está a questão da requalificação) que consigam lidar com essas tecnologias, muito dificilmente a minha empresa será produtiva.

"Não sou muito pessimista ao ponto de dizer que as tecnologias e as máquinas, por iniciativa própria, poderão ser autónomas daquilo que o homem e daquilo que as empresas quiserem fazer"

Uma das características desta mudança tem a ver com a capacidade que hoje as máquinas têm de comunicar entre si, ou seja, "as máquinas falam com máquinas", dados são transferidos de determinado equipamento para outro equipamento, e em muitas situações não há necessidade efetiva, pelo menos em algumas etapas do processo, de intervenção humana. Nesta colaboração entre os homens e as máquinas, quem vai mandar em quem?

Eu não vejo as coisas muito nesse ângulo, de quem é que está a mandar em quem. É claro que a questão da colaboração entre o homem e a máquina, ou o homem e os computadores, ou o homem e a tecnologia, é uma questão crítica, mas eu creio que estamos numa fase em que conseguimos e temos a capacidade de desenvolver este tipo de tecnologias, colocá-las ao serviço da competitividade e da produtividade, ao serviço das necessidades dos trabalhadores e das empresas de forma controlável. Ou seja, não sou muito pessimista ao ponto de dizer que as tecnologias e as máquinas, por iniciativa própria, poderão ser autónomas daquilo que o homem e daquilo que as empresas quiserem fazer. Acho que neste momento há ainda uma grande margem de possibilidade de controlo em orientar estas tecnologias e comunicações que estão a ser implementadas através de algoritmos e outras formas. Ou seja, acho que é possível garantir mecanismos de controle e de autorregulação imposta claro por nós, pelos homens. E aí é que está o desafio: garantir que questões como a ética e a proteção de dados não sejam colocadas em causa e isso passa muito, mais uma vez, por uma questão de políticas públicas. A questão da regulação é muito importante, encontrar mecanismos e formas de regulação e também de autorregulação, mas eu creio que nós temos todos os mecanismos suficientes neste momento para que essa questão de "quem é que manda em quem" daqui a 5 ou 10 anos não seja uma questão.

créditos: Rodrigo Mendes | MadreMedia

Além da ética, um outro tema que geralmente vem à baila quando falamos de toda a transformação associada à capacidade computacional tem a ver com o espaço que sobra — ou com o espaço que permanece — à criatividade humana. Ou seja, quando temos máquinas que já conseguem fazer uma série de processos, claramente de uma maneira mais eficiente, o que é que vai sobrar não só em termos de processo de decisão, mas sobretudo para contrariar aquilo que parece ser a decisão mais sensata de uma máquina?

Lá está, as máquinas conseguem tomar decisões sensatas pela forma como são programadas. Vamos olhar para o caso do veículo autónomo, há questões de ética que artificialmente poderão ser introduzidas no veículo autónomo e as questões de ética dependem muito da pessoa, do contexto onde a pessoa se insere, e da forma de ser da pessoa. Eu acho que as máquinas e todas as tecnologias são importantes para resolver dois problemas: primeiro, para libertar os trabalhadores de funções rotineiras tornando essas funções mais eficientes e diminuindo os custos das empresas, ao mesmo tempo que liberta os trabalhadores para funções de outro nível mais criativas, de gestão, coordenação e pensamento estratégico; por outro lado, estas tecnologias e estas máquinas permitem também auxiliar as pessoas e os trabalhadores nas decisões estratégicas. Se eu tiver tecnologias e informações que permitem antecipar cenários, é muito mais fácil para mim tomar decisões ou evitar cometer erros. Eu vejo as tecnologias como um auxílio do trabalho e da estratégia das pessoas, e quando falo em pessoas falo dos trabalhadores, dos decisores, das empresas e também dos decisores políticos. É interessante ver que hoje em dia a própria administração pública já utiliza muitas tecnologias de inteligência artificial para antecipar cenários e problemas, ou seja, para não cometer os erros que foram cometidos no passado, e isso é um bom exemplo de como usar as tecnologias de forma complementar, mas não de forma substitutiva. As ações em que as máquinas vêm substituir o homem... Creio que será nas funções mais básicas, mais de rotina, onde os trabalhadores não ganham muito em estar nessas funções. Dou um exemplo: quando um funcionário está nas caixas do hipermercado, é preciso fazer essa função, mas a nível de desenvolvimento pessoal as pessoas não ganham muito.

Ou quem está a contar stocks e a fazer reposições, não é uma coisa entusiasmante.

Por exemplo... Isso são funções que hoje em dia as máquinas podem fazer perfeitamente de forma mais eficiente e com custos menores e essas pessoas podem ser libertas para fazer outras funções.

"Todas as pessoas são criativas, a questão é saber como potenciar essa criatividade e usá-la ao serviço daquilo que é essencial"

Mas essa é a parte em que estamos todos pacificados, ou seja, há uma série de funções que o ser humano médio não acha desafiante e em que as máquinas podem ajudar, mas a pergunta era sobre  qual é o papel da criatividade humana, ou seja, a decisão imprevista, a decisão criativa, a decisão que corrige um erro que não estava a ser detetado pela própria capacidade computacional. Essa competência, vamos-lhe chamar assim — sendo que mais do que uma competência, é uma qualidade humana — é hoje mais ou menos importante?

A criatividade é uma questão fundamental desde sempre na sociedade. Se olharmos para o próprio conceito de porque é que temos novos produtos ou serviços, ou porque é que desenvolvemos novas formas de organização e gestão? Isso depende tudo da criatividade. A questão é que muitas destas pessoas que estavam a desempenhar funções rotineiras não tinham tempo para desenvolver essa criatividade, nem tempo, nem muitas vezes as skills ou competências para fazer isso. Esta libertação de tempo, através de instrumentos e metodologias de requalificação, pode permitir e potenciar a criatividade das pessoas, porque todas as pessoas são criativas, a questão é saber como potenciar essa criatividade e usá-la ao serviço daquilo que é essencial, que é encontrar e desenvolver algo [novo], encontrar soluções para os problemas das empresas e para os problemas da sociedade. Se eu fosse uma empresa, o que eu quereria era ter trabalhadores não só o mais qualificados possível, mas, mais do que isso, ter pessoas com a criatividade necessária, ou com as condições para que essa criatividade possa ser aplicada no desenvolvimento de soluções que vão ao encontro de problemas que existem na sociedade. A criatividade pode ser uma das questões que poderá trazer maior vantagem competitiva às empresas, e não só às empresas, mas também aos países. Os países hoje em dia competem, e competem cada vez menos, felizmente, através dos custos, e cada vez mais através da forma como conseguem mobilizar os seus recursos para o desenvolvimento de soluções que consigam dar resposta a problemas globais. A questão de tudo isto que estamos a falar no âmbito da indústria 4.0 pode ser um auxiliar muito importante no desenvolvimento dessa criatividade.

O que é que esta mudança de paradigma significa ao nível da economia como um todo, já que, na verdade, toda esta alteração tecnológica tem impacto noutras áreas. Estou a pensar em duas, a área financeira e tudo o que tem a ver com a assistência jurídica, o trabalho dos advogados. Isto significa na realidade que até o próprio termo pode sofrer uma evolução, não? Que até a própria indústria 4.0 se calhar é muito mais uma economia 4.0.

Por isso é que eu disse há pouco que o conceito de indústria [4.0] tem de ser visto do ponto de vista lato, mais abrangente, do ponto de vista do seu impacto na estrutura produtiva e na sociedade. Há pouco falei na administração pública e em alguns exemplos. Estou-me a lembrar agora de algo que está a ser desenvolvido neste momento em colaboração com uma entidade pública e uma universidade pública: através de algoritmos, estão a ser desenvolvidas metodologias que permitam ter processos de análise de candidaturas de empresas de forma muito mais eficiente. As candidaturas que eram analisadas por pessoas — que estavam durante dias a fazê-lo —, são processadas através de algoritmos que estão a ser desenvolvidos com base em inteligência artificial, e consegue-se ter uma análise muito mais rápida e diminuir o erro humano. Este é um bom exemplo de como esta indústria 4.0, neste caso com uma componente que é a inteligência artificial, pode ser aplicada ao Estado para permitir a melhoria dos processos produtivos.

Se olharmos para a questão da medicina e dos hospitais, há inúmeros exemplos de como também as tecnologias estão a melhorar a relação entre o paciente e os prestadores de cuidados de saúde, como os médicos ou como os hospitais. Também ao nível das cirurgias já estão a ser utilizadas tecnologias da indústria 4.0 para também diminuir o erro e até substituir algumas etapas que os cirurgiões faziam. O cirurgião aqui é mais como um gestor e coordenador do que como um ator interventivo. Por isso é que a indústria 4.0 cada vez mais tem de ser vista desta forma, como um meio de transformação da sociedade, de forma torná-la mais eficiente e também mais competitiva.

"Tal como há 10 anos não se falava em indústria 3.0, creio que vamos ter outras buzzwords que surgirão para enquadrar as transformações e as realidades tecnológicas que existirão daqui a 10 anos e que são difíceis de prever"

Sobre o trabalho que é feito pela Agência Nacional de Inovação: nesta componente concreta que tem a ver com os processos de transformação nas empresas, quais são as prioridades que tem e o que é que está a fazer em concreto no terreno?

Há uma questão muito importante que é identificar quais as necessidades que as empresas têm, em que áreas, e de que forma é que nós, como Agência Nacional de Inovação, podemos dar resposta a estas necessidades. Nós temos dois instrumentos em que estamos a trabalhar para dar resposta a esta necessidade de digitalização das empresas. Um tem a ver com a adequação de instrumentos financeiros — o que nos fazemos é gerir instrumentos financeiros quando abrimos concursos, por exemplo, para projetos na área da robótica e da inteligência artificial — ou não financeiros.

[Além disso,] temos um instrumento muito importante que tem como objetivo a capacitação de entidades de intermediação, que fazem a ligação entre o sistema cientifico e as empresas. Em Portugal temos uma estrutura produtiva com características muito próprias e muito baseada em PMEs e microempresas, sendo que cerca de 90% das empresas tem menos de 10 trabalhadores — são na grande maioria familiares ou de gestão familiar e muitas vezes têm dificuldades em adquirir recursos, em contratar pessoas para trabalhar e lidar com este tipo de tecnologias. No entanto, temos em Portugal aquilo a que chamamos de entidades de intermediação que sabem o que é que está a ser feito nas universidades e nos politécnicos, o que está a ser desenvolvido, e têm um grande contacto com as empresas. São essas entidades que nós estamos a capacitar, estou a falar por exemplo num INESC, um CEiiA, um INL, um International Iberian Nanotechnology Laboratory em Braga, o ISQ, a um INEGI, entidades de várias áreas setoriais que fazem este trabalho de identificar onde é que estão as soluções e as tecnologias que podem dar resposta aos problemas.

Também estamos a apoiar uma nova tipologia de infraestruturas que são os chamados laboratórios colaborativos, que são redes de investigação que juntam empresas e entidades de investigação para desenvolver e dar resposta a problemas concretos da sociedade envolvendo também as empresas e PMEs.

Por outro lado, estamos também a acompanhar uma iniciativa da Comissão Europeia que são os chamados Digital Innovation Hubs, que são estruturas físicas que a Comissão está a apoiar em todos os Estados Membros e que em Portugal também vão ser desenvolvidos. Essas estruturas físicas têm a missão de ajudar as empresas, em especial as PMEs, no seu processo de transformação digital. Ou seja, uma empresa na área do agroalimentar ou na área dos moldes, como há mais dificuldades em introduzir este tipo de tecnologias como a robotização, ou impressoras 3D, pode ir junto destas estruturas físicas que terão pessoal especializado, capaz de as ajudar no seu processo de passagem para a indústria 4.0. E isto é uma iniciativa nova, nós estamos a acompanhar juntamente com outras entidades públicas como o IAPMEI, por exemplo, ou a Fundação para a Ciência e Tecnologia. Cremos que nos próximos 2, 3, 4 anos serão estruturas que vão ser desenvolvidas e que serão muito importantes para ajudar as nossas PMEs.

Uma última questão em modo "pergunta para um milhão de dólares": daqui a 10 anos vamos estar a falar de indústria 5.0, uma vez que o tempo acelerou tanto e os ciclos económicos encurtaram bastante?

Eu acho que vamos estar a falar de novas realidades que hoje se calhar nem imaginamos, mas a questão da indústria 4.0, eu acho que é um conceito, uma buzzword que faz sentido hoje, mas que tal como todas as buzzwords serão substituídas por outras. Tal como há 10 anos não se falava em indústria 3.0, nem há 20 anos indústria 2.0, creio que vamos ter outras buzzwords que surgirão para enquadrar as transformações e as realidades tecnológicas que existirão daqui a 10 anos e que são difíceis de prever. Por isso é que é importante nós, do lado das políticas públicas, usarmos cada vez da melhor forma estas tecnologias que nos permitem antecipar não aquilo que vem aí, mas construir cenários e optar por aqueles que sejam mais favoráveis à nossa economia e, num contexto mais global, à economia europeia. Cabe-nos a nós, às políticas públicas, em conjunto com as entidades da sociedade civil das empresas, tirar o melhor partido destas tecnologias que nos permitem encontrar os caminhos que nos favoreçam mais e que nós achamos que podem ser os melhores para sermos não só mais competitivos, mas para termos uma sociedade mais desenvolvida, mais justa e que garanta mais oportunidades a todos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.