"Neste momento, aguardamos que o documento seja promulgado e publicado, para depois, se houver a tal apreciação parlamentar, podermos fazer uma discussão no parlamento", disse aos jornalistas Assunção Cristas, à margem da visita ao Hospital do Barlavento, em Portimão, no Algarve.

Assunção Cristas recordou que o CDS-PP "em 2016 votou contra uma medida parecida, com uma justificação muito clara e que tinha a ver com o facto da baixa da TSU ser financiada pela própria Segurança Social".

"Uma situação que não nos parecia de todo adequado", sublinhou.

A líder centrista disse desconhecer a medida negociada entre o Governo e os parceiros sociais, "na forma como é financiada, se pelo Orçamento de Estado, se pela Segurança Social".

"Há esse detalhe que procuramos perceber e também em que medida é que as Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) podem ser compensadas pelo aumento do salário mínimo", acrescentou.

Assunção Cristas revelou que o CDS-PP está a efetuar contactos com os parceiros sociais, no sentido de procurar saber "quais são os impactos da redução da TSU caso o acordo não seja respeitado integralmente".

Na opinião da líder do CDS-PP, o Governo "de forma ligeira e inconsequente, comprometeu-se com um acordo com dois pontos centrais e, na verdade e ao que parece, só está em condições de garantir o cumprimento de um desses pontos".

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.