Segundo a CNN Portugal, o voo WPT1155, um Airbus A330 da companhia World2Fly, com 386 passageiros a bordo, foi forçado a interromper a viagem estipulada para Varadero em Cuba, tendo de regressar a Lisboa.

O problema em causa esteve relacionado com o trem de aterragem da aeronave, que não recolheu após o avião levantar voo devido a um pin de segurança.

Entretanto, mais de quatro horas depois de ter levantado originalmente voo em direção a Cuba, a aeronave já partiu rumo ao destino definido.

De acordo com a plataforma FlightRadar, o avião, que partiu às 16:36 do Aeroporto Humberto Delgado, esteve a sobrevoar a zona de Mafra e Sintra durante duas horas para gastar combustível.

Flightradar
créditos: Flightradar

A sua aterragem estava prevista para entre as 19:00, segundo confirmou fonte oficial da NAV, empresa que controla o tráfego aéreo. Antes de realizar a aproximação, a aeronave deu ainda uma volta maior para aguardar o desimpedimento da pista 2, rumando a norte, tendo pousado sem problemas pelas 19:10, conforme registado pela transmissão televisiva efetuado no local.

Segundo a NAV, com este voo a aproximar-se da pista, todos as outras aeronaves previstas para aterrar perderam prioridade.

O Comando Nacional de Emergência e Proteção Civil decretou alerta laranja às 16:52 para o pré-posicionamento de meios, estando presentes no local 38 operacionais e 110 viaturas. De resto, a Rádio Renascença confirmou junto dos Bombeiros Sapadores de Lisboa que foi enviada uma equipa de resgate para o Aeroporto Humberto Delgado, no caso de ser necessário atuar após a aterragem da aeronave.

A fonte da NAV disse também que “todas as medidas de precaução foram tomadas” e feitos os “procedimentos de segurança” no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

“O avião regressou a Lisboa por motivos de ordem operacional que se prende com uma inspeção feita no trem de aterragem. Não houve qualquer emergência declarada. Isto é um regresso em circunstâncias operacionais num contexto de não emergência e que implica uma verificação rápida no aeroporto de Lisboa”, disse Miguel Freitas Simões, presidente executivo da companhia aérea, em declarações à CNN.

Fonte oficial da NAV, empresa que controla o tráfego aéreo, disse à Lusa que o AirBus A330 da companhia World2Fly, que realiza voos 'charter', declarou emergência às 17:12, depois de ter descolado do aeroporto de Lisboa.

Miguel Freitas Simões garantiu que o avião “não teve qualquer avaria” e, durante as mais de duas horas esteve a voar junto a Lisboa, “não teve uma circunstância de emergência”. O CEO da World2Fly disse ainda que o avião foi alvo de uma “avaliação técnica em Lisboa” e estão “reunidas as condições” para voltar a voar.

Segundo Miguel Freitas Simões, o avião com 386 passageiros a bordo vai descolar em breve para Varadero e nenhum dos passageiros quis ficar em Lisboa.

De acordo com o ex-comandante da TAP José Correia Guedes, em comentário à CNN Portugal, este tipo de problemas tem procedimentos técnicos a seguir e não é causa para alarmismos.

As voltas que o avião esteve a dar, adianta, servem para queimar combustível, reduzindo o peso na aterragem e o risco de incêndio, o que é habitual neste tipo de situações. O voo em círculos efetuou-se a baixa altitude porque consome mais combustível assim.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.