Mário Gonçalves revela que os problemas já não são de agora, “vêm da anterior gestão autárquica do executivo PSD”, no entanto a “estratégia deste executivo PS não tem resolvido e ainda agravado alguns problemas”.

Preocupado com o crescimento “desordenado e caótico da cidade”, Mário Gonçalves dá exemplos de intervenções que estão a decorrer no centro histórico, como o hospital privado que vai nascer no antigo hotel Tocaio, a sede das Águas de Portugal e a Loja do Cidadão, “sem que haja estacionamentos para o afluxo de cidadãos e viaturas que estas estruturas vão originar”.

O candidato do Bloco questiona como é possível um acréscimo de trânsito desta ordem “quando já temos grandes constrangimentos nas horas de ponta, nos dias de mercado ou quando a ponte de metal para, nas horas de entrada e saída do Colégio da Boavista?”

O bloquista critica ainda a aplicação dos dinheiros públicos em obras que não são devidamente concluídas, dando como as “intervenções de rebaixamento dos passeios, que louvamos, mas que ficou aquém do esperado por não ter sido feita a respetiva sinalização para pessoas cegas”.

O BE falou ainda de dois casos “paradigmáticos da cidade” que ainda não tiveram solução, o Hotel do Parque e o edifício da Panificadora, da autoria de Nadir Afonso. “Sobre estas ruínas urbanísticas é recorrente ouvir que já foram feitos esforços e promessas, mas, até agora, o que se vê evoluir é a degradação”, lamenta Mário Gonçalves, que acredita ser possível ganhar um assento no executivo da câmara de Vila Real, onde se focará em “processos essenciais”, como a requalificação da Av. Carvalho Araújo e da zona da Estação, ou a valorização do Bairro de Ferreiros.

Márcia Fernandes

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.

Um artigo do parceiro

Fundado a 9 de Novembro de 1947, por iniciativa de D. António Valente da Fonseca, então Bispo da Diocese de Vila Real, e do Sr. Padre Henrique Maria dos Santos, seu primeiro diretor, surgiu nas bancas A VOZ DE TRÁS-OS-MONTES, num formato de quatro páginas, que se tornaria semanário em janeiro do ano seguinte. Com o passar dos anos, A VOZ DE TRÁS-OS-MONTES foi crescendo. Vai para as bancas à quinta-feira, nos distritos de Vila Real e Bragança, parte do distrito de Viseu e um pouco por todo o País e pelas comunidades portuguesas dispersas pelo mundo. É, atualmente, o maior título da região de Trás-os-Montes e Alto Douro e recentemente lançou um novo site com atualização permanente em www.avozdetrasosmontes.pt.