“Será uma visita de trabalho”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, em conferência de imprensa.

Os dois países, cujas relações têm estado tensas há vários meses, estão a negociar um aprofundamento dos seus laços políticos e económicos, com Lukashenko a tentar manter o apoio de Moscovo numa fase em que a contestação ao Presidente da Bielorrússia aumenta tanto interna como internacionalmente.

Nos últimos anos, Alexander Lukashenko, no poder desde 1994, acusou várias vezes o seu histórico aliado russo de querer tornar a Bielorrússia num país-vassalo, rejeitando a ideia de Moscovo de reforçar a união entre os dois e chegando a acusar Moscovo de trabalhar contra ele durante a campanha para as eleições presidenciais de 09 de agosto.

No entanto, desde o início do movimento de protesto na Bielorrússia, quando se soube o resultado das eleições que renovaram Lukashenko no cargo, há cerca de um mês, o Presidente bielorrusso mudou a sua estratégia, passando a implorar pelo apoio russo para enfrentar uma “operação ocidental para o desestabilizar”.

A Rússia poderá aproveitar a situação para impor a Minsk a união aprofundada dos dois países, até agora recusada pelo líder bielorrusso em nome da soberania e da independência e apesar de a Bielorrússia ser economicamente muito dependente de Moscovo.

O embaixador russo em Minsk, Dmitry Mezentsev, ofereceu na quinta-feira a Alexander Lukashenko, que recentemente completou 66 anos, um atlas do século XIX que mostra a Bielorrússia como parte do império russo.

Um testemunho histórico das relações que unem os dois países e “uma resposta a quem pensa o contrário”, explicou o embaixador.

Figuras da oposição bielorrussa, a maioria das quais presa ou exilada nas últimas semanas, insistiram que o seu movimento era dirigido contra Lukashenko e não contra a Rússia nem a favor do Ocidente.

Uma nova grande manifestação, a quinta do género, é esperada no domingo em Minsk, sendo que as anteriores reuniram pelo menos 100 mil pessoas para exigir a saída do Presidente no poder.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.