A polícia, presente em grande número na Praça da Independência, no centro de Minsk, desde a manhã, lado a lado com militares mascarados e armados, tentou dispersar a multidão, reunida pelo terceiro fim de semana consecutivo, segundo um jornalista da agência France-Presse (AFP) no local.

As manifestações realizadas nos dois últimos domingos, 16 e 23 de agosto, juntaram quase 100.000 pessoas, tornando-se das maiores manifestações de sempre no país.

A crise na Bielorrússia foi desencadeada após as eleições de 9 de agosto, que segundo os resultados oficiais reconduziu o presidente Alexander Lukashenko, no poder há 26 anos, para um sexto mandato, com 80% dos votos.

A oposição denuncia a eleição como fraudulenta e milhares de bielorrussos saíram às ruas por todo o país para exigir o afastamento de Lukashenko.

Os protestos têm sido duramente reprimidos pelas forças de segurança, com milhares de pessoas detidas e centenas de feridos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.