"Não está posta em causa, de forma alguma, o socorro às populações. Esse socorro continua a ser assegurado pelos bombeiros como até agora", afirmou à agência Lusa o presidente da Federação dos Bombeiros do Distrito de Castelo Branco, José Neves.

O Conselho Nacional da Liga dos Bombeiros Voluntários (LBP) aprovou no sábado "por unanimidade e aclamação de pé" suspender toda a informação operacional aos Comandos Distritais de Operações de Socorro (CDOS) a partir das 00:00 de domingo.

Já o responsável pelo Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco disse que a gestão está a ser feita com toda a normalidade.

"Não está a haver qualquer transtorno. Só se notará se houver uma situação de um problema maior em que haja a necessidade de reforço de meios de nível local para o nível distrital e nacional. Daí que não se tenha perceção", afirmou Francisco Peraboa.

O comandante do CDOS de Castelo Branco adiantou que a maioria das 12 corporações de bombeiros do distrito está a reportar as ocorrências.

"Apenas as corporações de Castelo Branco, Sertã e Proença-a-Nova é que não estão a fazê-lo", frisou.

À Lusa, no entanto, o presidente da Federação dos Bombeiros sublinhou que, neste momento, as corporações deixaram de comunicar ao CDOS de Castelo Branco pontos de situação de ocorrências, saídas para ocorrências, o número de elementos que se deslocam, entre outros dados.

"Mais de 70% [das 12 corporações distritais] não estão a comunicar os dados. Neste momento, há ainda algumas que o estão a fazer por questões internas", explicou.

José Neves sublinhou que é importante que se perceba que quem possui os meios são os bombeiros e não a Proteção Civil.

"O que a Proteção Civil tem são salas de operações onde estão operadores a receber os dados que os bombeiros possuem e que disponibilizam. O que deixou de ser feito foi a disponibilização dessa informação", sustentou.

Este responsável realçou ainda que os bombeiros estão a cumprir com a legalidade.

"Não há qualquer obrigatoriedade de comunicar quando se fala no âmbito municipal de uma ocorrência. O responsável é o comandante do corpo de bombeiros que envia os meios e resolve a situação", disse.

A título de exemplo, adiantou que, no domingo, registaram-se no distrito incêndios urbanos e em mato, acidentes, um deles grave, sem quer tenha havido a necessidade de comunicar à Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) e sem que o socorro fosse posto em causa.

"Não estaremos representados oficialmente em qualquer cerimónia em que esteja um membro do Governo ou elemento da ANPC", concluiu.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.