“Deixem-me ser sarcástico (…). Durante esta campanha vamos ouvir demasiadas coisas. Vamos ser sérios: a NATO não pode ser uma aliança militar ‘à la carte’, não pode ser uma aliança militar dependente de como o Presidente dos Estados Unidos está a cada dia. Sim, não, amanhã isto, depois aquilo”, respondeu Josep Borrell, em Bruxelas, após ser questionado sobre as declarações de Donald Trump durante o fim de semana.

À entrada para uma reunião de ministros com a pasta do desenvolvimento, o alto-representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros insistiu no apelo à seriedade do antecessor do democrata Joe Biden em Washington.

“Vamos ser sérios. A NATO não pode ser uma aliança ‘à la carte’. Ou existe ou não existe. Não vou perder o meu tempo a comentar cada ideia tonta que surgir nesta campanha eleitoral nos Estados Unidos”.

O antigo Presidente dos Estados Unidos Donald Trump sugeriu deixar a Rússia atacar qualquer país que pertença à Aliança Atlântica e que tenha as contribuições para a organização político-militar ou o investimento em defesa abaixo do expectável.

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, considerou que as declarações de Donald Trump são prejudiciais para os 31 países, incluindo Portugal, que compõem a organização.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.