No trimestre de abril a junho de 2017, o desemprego no país sul-americano ficou em 13%, dado que indica uma queda de 0,7 ponto percentual ante o período de janeiro a março, quando a taxa de desocupação estava em 13,7%.

Segundo o IBGE, cerca de 13,5 milhões de pessoas estavam sem trabalho no Brasil no segundo trimestre deste ano.

A crise económica e a crise política que afetam o Brasil nos últimos anos deterioraram o mercado de trabalho, fazendo com que o número de desempregados atingisse seu auge entre janeiro a março de 2017, quando 14,2 milhões de pessoas estavam sem trabalho.

Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, explicou que apesar do desemprego ter diminuído isto não tem relação direta com a abertura de novos postos de trabalho no país, já que a quantidade de brasileiros no mercado informal cresceu.

“Tivemos uma redução na taxa [de desemprego], com o aumento da população ocupada e queda no número de desocupados. Mas, infelizmente, a ocupação cresceu pelo lado da informalidade, ou seja, há mais pessoas sem carteira [de trabalho] e por conta própria, que não têm garantias trabalhistas”, disse num comunicado do IBGE.

O órgão de estatísticas constatou que o número de empregados com contrato formal de trabalho no período ficou em 33,3 milhões, mantendo-se estável frente ao trimestre anterior.

O rendimento médio real das pessoas empregadas no Brasil também ficou estável frente ao trimestre encerrado em março de 2017, passando de 2.125 reais (574 euros) para 2.104 reais (569 euros).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.