De acordo com os documentos da reunião extraordinária pública, a que a Lusa teve hoje acesso, o executivo vai votar a “aquisição, por via amigável, das parcelas necessárias à execução” do túnel entre as ruas do Ateneu e Alexandre Braga, num total de 909,2 mil euros”.

Quanto ao “contrato-promessa” para o “direito de utilização de uma loja do [centro comercial] ‘La Vie’, está previsto que a Câmara pague 16.869 euros por mês, acrescidos de um “valor global de 20 mil euros pela “utilização exclusiva do cais de cargas e descargas”.

Na proposta do presidente Rui Moreira, explica-se que a “loja 0.01 do centro comercial”, propriedade da Caixa Leasing e Factoring, está “atualmente ocupada” por uma empresa que “incumpriu o contrato” de utilização mas “recusou-se a restituir a loja”.

Tal “motivou a providência cautelar por parte da Xaia, que corre termos” no tribunal, pelo que o acordo é feito na “modalidade de contrato-promessa”.

“As partes reconhecem que a procedência da providência cautelar e consequente desocupação da loja são elemento essencial para a celebração do contrato definitivo”, descreve o documento.

“Com a procedência da providência cautelar, as partes aceitam celebrar o contrato prometido”, acrescenta.

Na sessão camarária vai também ser debatida a “alteração ao código regulamentar quanto ao regime de transmissão da titularidade das licenças emitidas para o mercado”.

Relativamente ao túnel de acesso ao Bolhão, a autarquia esclarece que vais servir “novo piso em cave”, um espaço onde vão ser feitas as cargas e descargas e que estará dotado de “inúmeras áreas técnicas para dotar o edifício com as condições necessárias de um mercado municipal de frescos dos dias de hoje”.

Uma parte das obras subterrâneas do mercado do Bolhão, orçadas em cerca de 800 mil euros, arrancou em agosto para desvio “de várias infraestruturas” e, “sobretudo, de uma linha de água” que atravessa todo o imóvel para as ruas Sá da Bandeira e Fernandes Tomás, informou a Câmara em julho.

Em comunicado divulgado na altura, a autarquia esclarecia tratar-se de um procedimento necessário para permitir “o posterior avanço das obras que estabilizarão o edifício e que permitirão a construção da cave técnica de que necessita para se modernizar”.

A Câmara acrescentava estar “em preparação o lançamento dos concursos públicos necessários para adjudicação das empreitadas seguintes” do Bolhão.

O município citava as obras “para a construção do túnel entre a Rua do Ateneu e a futura cave do Mercado e a empreitada geral de restauro e modernização do Bolhão”.

O custo total da operação, incluindo a “adaptação do espaço do mercado temporário”, as “empreitadas de desvio de águas e construção do túnel” e “todo o processo de criação de imagem e promoção do mercado” é “da ordem dos 27 milhões de euros”, acrescentava a Câmara.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.