Numa breve declaração lida perante os media, o prelado declarou “compaixão” pelas vítimas, enquanto os seus advogados anunciaram que recorrerão da sentença determinada em primeira instância.

“Decidi ir ver o santo padre para lhe apresentar a minha demissão. Receber-me-á nos próximos dias”, afirmou o cardeal.

Barbarin, de 68 anos, e há 17 à frente de uma das dioceses de maior tradição do país, sentou-se no banco dos réus juntamente com outros responsáveis eclesiásticos em janeiro, acusados de não terem denunciado os abusos cometidos contra menores durante 25 anos pelo padre Bernard Preynat.

O caso tornou-se público a 23 de outubro de 2015, dia em que a diocese de Lyon revelou que tinha recebido queixas contra o padre Bernard Preynat por “agressão sexual a menores” cometida 25 anos antes.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.