“Se o dr. António Costa, que é primeiro-ministro, fosse candidato ao congresso que estava previsto para ser em março manter-se-ia como primeiro-ministro e seria candidato. Se ocorresse, como ocorreu já, com uma liderança do PPD em que era primeiro-ministro e presidente do PPD/PSD também não deixava de ser primeiro-ministro para ser candidato”, disse a jornalistas José Luís Carneiro, quando questionado sobre a compatibilidade entre o cargo de ministro e a sua candidatura à liderança do PS.

O ministro da Administração Interna afirmou que tal situação "também já aconteceu com outros responsáveis com funções governativas e que não deixaram de as desempenhar naquilo que é o essencial dessas funções e naquilo que é o quadro que permite a lei e naquilo que são depois as funções de responsabilidade dos partidos políticos, que são os esteios da nossa vida democrática”.

José Luís Carneiro disse ainda que “até é tradição em Portugal que quem dirige ou preside aos partidos são os candidatos a primeiro-ministro”.

O ministro, que juntamente com o atual do deputado do PS Pedro Nuno Santos é candidato à liderança do Partido Socialista, foi hoje condecorado pela Liga de Bombeiros Portugueses (LBP) com o Crachá de Ouro dos Bombeiros.

As eleições diretas para a sucessão de António Costa no PS estão marcadas para 15 e 16 de dezembro – em simultâneo com a eleição de delegados – e o congresso está previsto para 06 e 07 de janeiro.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.