“A Carris regressa a casa”, afirmou o presidente da Câmara, Fernando Medina (PS), na cerimónia de assinatura do memorando da passagem de gestão da rodoviária para o município, em novembro passado.

A opção do Governo chefiado por António Costa - que hoje vai estar presente na cerimónia de passagem da gestão da Carris para a Câmara - de entregar a empresa à autarquia surge na sequência da suspensão dos processos de concessão das empresas públicas de transporte, lançados em 2011 pelo Governo PSD/CDS-PP, liderado por Pedro Passos Coelho.

Por discordar da decisão governamental, o PCP entregou na sexta-feira na Assembleia da República um pedido de apreciação parlamentar do diploma que transfere a Carris para o município, acompanhado de propostas de alteração ao decreto do Governo.

Já em setembro, o presidente da Câmara de Loures, Bernardino Soares (PCP), defendeu que a rodoviária e o Metro de Lisboa deveriam ficar sob alçada de uma entidade supramunicipal pública.

A decisão do PCP não agradou a Comissão de Trabalhadores da Carris e três estruturas sindicais - Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes (SITRA), Sindicato Nacional dos Motoristas (SNM) e Associação Sindical do Pessoal de Tráfego da Carris (ASPTC) –, que defendem que a municipalização da gestão “é a solução que melhor serve os trabalhadores, a empresa e o serviço que esta presta”.

As estruturas ameaçaram fazer protestos à porta da sede do PCP.

Quanto à dívida histórica da Carris, irá manter-se no Estado.

“O Estado não faz nenhum favor, porque se mantém responsável pelo que já é responsável, que é a dívida que criou”, afirmou o primeiro-ministro, António Costa, acrescentando que, em 2015, o valor ascendia a cerca de 700 milhões de euros.

Para os próximos três anos, o presidente da Câmara de Lisboa anunciou que vai adquirir 250 novos autocarros, fazer um investimento de 60 milhões de euros, contratar 220 motoristas, atribuir passes gratuitos a todas as crianças até aos 12 anos e descontos para os idosos e criar 21 novas linhas.

Estas novas linhas fazem parte da nova “Rede de Bairros” e pretendem servir deslocações do dia-a-dia nas freguesias lisboetas, ligando escolas, mercado, centro de saúde, etc.

Marvila será o primeiro bairro a receber esta linha, que vai chegar também a Alvalade, Arroios, Avenidas Novas, Beato, Belém, Benfica, Campo de Ourique, Campolide, Carnide, Estrela, Lumiar, Misericórdia, Olivais, Penha de França, Parque das Nações, Santa Clara, São Domingos, São Vicente, Santo António e Santa Maria Maior.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.