Num comunicado enviado ao SAPO24, o ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) português anuncia ter tomado “boa nota das decisões” dos 18 países ocidentais que esta segunda-feira expulsaram mais de 100 diplomatas russos dos respetivos territórios.

Na nota, o gabinete de Santos Silva diz que Portugal “condenou imediatamente o atentado de Salisbury e expressou com veemência a sua solidariedade com o Reino Unido”; e que, “além da intervenção em instâncias internacionais como a NATO ou a OSCE, participou nos debates ocorridos no Conselho Europeu e no Conselho de Negócios Estrangeiros de que resultou, designadamente, a decisão de a União Europeia chamar para consultas o seu embaixador em Moscovo”.

Ainda assim, o comunicado não esclarece se Portugal vai expulsar diplomatas russos no futuro, concluindo dizendo que “Portugal acredita que a concertação no quadro da União Europeia é o instrumento mais eficaz para responder à gravidade da situação presente”.

Ao mesmo tempo que o MNE português enviava este comunicado às redações, Espanha anunciava a expulsão de dois diplomatas russos. A decisão fora atrasada por "cortesia diplomática", cita o 'El País'. O país vizinho junta-se assim aos 14 países da União Europeia que anunciaram a expulsão de diplomatas russos dos respetivos territórios, num total de 19 países ocidentais a seguir o mesmo caminho que o Reino Unido, que após o envenenamento de Serguei Skripal em Salisbury expulsou 23 diplomatas de Moscovo em território britânico.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.