O ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, afirmou, numa conferência do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre a vacinação, que a "cooperação para combater a pandemia não deve ser um jogo de tudo ou nada".

Wang Yi rejeitou que Pequim tenha "objetivos geopolíticos" quando se trata da distribuição de vacinas para países em desenvolvimento.

"As vacinas estão a ser desenvolvidas e produzidas em velocidade recorde, mas há problemas que precisam ser resolvidos", disse.

"Há uma lacuna na distribuição. As vacinas estão a ir rapidamente para os países de rendimento alto, mas não para os países em desenvolvimento. Isto só vai exacerbar mais as desigualdades", defendeu.

Wang Yi pediu que haja uma "distribuição justa e razoável das vacinas" e que os países mais necessitados ou envolvidos em conflitos não sejam deixados para trás.

"A China nunca teve objetivos geopolíticos na venda das suas vacinas. Nunca fez cálculos para beneficiar economicamente e não estabeleceu condições políticas", disse Wang, citado hoje pelo portal do ministério dos Negócios Estrangeiros da China.

O ministro também indicou que as vacinas devem ser um "produto público acessível em todos os países" e que para a China é "imperativo" fazer o possível para pesquisar, desenvolver e distribuir vacinas em todo o mundo.

"A China forneceu assistência a 53 países em desenvolvimento que a solicitaram e exportou vacinas para 22 países. Também ajudou a aumentar a capacidade de produção global", afirmou.

Pequim entregou ainda 10 milhões de doses das suas vacinas ao mecanismo Covax, promovido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), para "evitar que mais pessoas morram pelo [novo] coronavírus", acrescentou o ministro.

Segundo a imprensa oficial do país asiático, as vacinas desenvolvidas pelas empresas chinesas Sinopharm, Sinovac e CanSino estão a ser usadas em cerca de trinta países em desenvolvimento em África, Ásia ou América Latina, enquanto na Europa só chegaram à Sérvia e Hungria.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, alertou mais uma vez esta semana que, se a campanha de vacinação contra a covid-19 não for implementada em todos os países, o vírus continuará a sofrer mutações, o que poderá prolongar "significativamente" a pandemia.

"Se o vírus se espalhar como um incêndio no sul global, ele sofrerá mutações repetidas vezes. Novas variantes podem tornar-se mais transmissíveis, mais mortais e potencialmente ameaçar a eficácia das vacinas e diagnósticos atuais", alertou.

O português lembrou que "apenas 10 países administraram 75% de todas as vacinas contra a covid-19. Enquanto isso, mais de 130 países não receberam uma única dose".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.