Um total de 42 pessoas já morreram no país, entre os 820.620 casos de febre detetados, dos quais pelo menos 324.550 necessitaram de tratamento médico, informou a agência de notícias oficial norte-coreana, KCNA, sem especificar quantos casos de febre e quantas mortes foram causadas pela covid-19.

Mais de 1,3 milhões de pessoas, entre profissionais de saúde e trabalhadores de outras áreas, estão envolvidos na testagem, no tratamento de doentes e em ações sensibilização da população para questões relacionadas com a higiene, acrescentou a KCNA.

Até agora, a Coreia do Norte só confirmou uma morte relacionada com a covid-19.

O país impôs um confinamento geral na quinta-feira, depois de confirmar as primeiras infeções pela variante Ómicron do coronavírus SARS-CoV-2, desde o início da pandemia, há mais de dois anos.

Peritos afirmaram que uma falha no controlo da propagação da doença pode trazer consequências devastadoras para a Coreia do Norte, considerando o frágil sistema de saúde e o facto de grande parte dos 26 milhões de norte-coreanos não estarem vacinados, de acordo com a agência de notícias Associated Press (AP).

O sistema de saúde norte-coreano é considerado um dos piores do mundo, tendo sido classificado, numa avaliação realizada pela Universidade Jonhs Hopkins, dos Estados Unidos, em 193.º lugar entre 195 países, devido a falta de medicamentos e de equipamentos essenciais, de acordo com especialistas.

No entanto, Pyongyang rejeitou o plano de vacinação proposto pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e ofertas de fornecimento de vacinas feitas pela China, Rússia e Coreia do Sul.

A covid-19 causou mais de seis milhões de mortos e mais de 520 milhões de infeções em todo o mundo, de acordo com dados da Universidade norte-americana Johns Hopkins.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.