Mariano Rajoy, PP, 61 anos

O presidente do conservador Partido Popular (PP), acostumado a apresentar-se como símbolo de "estabilidade, segurança, certeza e confiança", espera ser reeleito graças aos resultados do seu governo na economia.

Pouco carismático e volúvel, orgulha-se de lembrar que, no final do seu mandato de quatro anos, a economia espanhola voltou a crescer com força e está a conseguir reduzir o desemprego, mesmo que a percentagem se mantenha muito elevada (20,9% em 2015).

Foi cinco vezes ministro nos governos de José María Aznar (1996-2004) e sofreu duas derrotas eleitorais antes de conquistar a maioria absoluta no final de 2011. Em dezembro de 2015, o seu partido ganhou a maioria dos votos, mas sem maioria suficiente. Sem aliados desistiu de tentar formar um governo precipitando a realização de novas eleições.

Pedro Sánchez, PSOE, 44 anos

Pedro Sánchez

O secretário-geral do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) era um ilustre desconhecido em julho de 2014, quando foi eleito para este cargo. Doutorado em Economia, elogiava-se a si próprio por não ser um homem do aparelho político.

Corajoso e determinado, propôs a renovação de um partido em queda, que os eleitores puniram em 2011 pela má gestão da crise económica.

Em dezembro, no entanto, obteve o pior resultado na história do partido. Apresentando-se como a única opção "de mudança" viável, obteve 90 dos 350 deputados, o que não o impediu, após a demissão de Rajoy, de aceitar o desafio de tentar formar um governo. Insistiu, no entanto, em juntar-se ao Podemos de esquerda e aos liberais do Ciudadanos. As negociações foram um fracasso.

Pablo Iglesias, Podemos, 37 anos

Internal fight between whose who want to be part of the government

Politólogo e professor universitário, o líder do Podemos entrou na política em janeiro de 2014, liderando o que ainda era um movimento de cidadãos, que surgiu em grande parte devido aos 'indignados', que se apresentava nas eleições para o Parlamento Europeu.

Para surpresa de todos, conquistaram cinco assentos parlamentares, um deles para Iglesias. Em novembro do mesmo ano, depois da transformação do Podemos num verdadeiro partido político, Pablo Iglesias foi eleito secretário-geral, apesar de ter uma grande oposição interna.

Figura controversa, considerado arrogante e populista para alguns, carismático e sincero para outros, é um grande orador que impulsionou a sua imagem através de programas de televisão.

Depois das eleições de dezembro, nas quais conseguiu fazer parte da terceira força política mais votada, Iglesias não quis apoiar um governo de socialistas e liberais por considerar que não lutavam contra a austeridade, uma das suas principais bandeiras.

Albert Rivera, Ciudadanos, 36 anos

Spanish Ciudadanos party election campaign in Madrid

Antes de entrar para a política nacional, o presidente do partido de centro-direita Ciudadanos foi durante quase uma década deputado no parlamento regional da Catalunha, opondo-se ao crescente movimento independentista.

Ex-conselheiro jurídico, apresenta-se como o outro lado da renovação política espanhola, defendendo uma "mudança pacífica" contra o radicalismo do Podemos. Ativista contra a corrupção e defensor de políticas económicas liberais, alguns não o perdoam por se ter aliado, em 2009, aos eurocéticos do Libertas.

Depois das eleições de dezembro, juntou os seus 40 deputados aos de Sanchez, num pacto de governo, insistindo na necessidade de fazer uma aliança com os conservadores do PP, que se recusaram categoricamente.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.