Dirigindo-se a uma reunião de profissionais de saúde e cientistas, Kim anunciou uma "vitória ... na guerra contra a doença pandémica maligna", segundo a agência oficial de notícias.

O país isolado, que mantém um rígido bloqueio de coronavírus desde o início da pandemia, confirmou um surto de Ómicron na capital Pyongyang em maio e ativou um "sistema máximo de prevenção de epidemias de emergência".

A Coreia do Norte refere-se a "pacientes com febre" em vez de "pacientes Covid" em relatos de casos, aparentemente devido à falta de capacidade de teste.

Foram registados quase 4,8 milhões de infecções por "febre" e apenas 74 mortes para uma taxa oficial de mortalidade de 0,002%, segundo a agência estatal. Não há registos de novos casos desde 29 de julho.

Esse tratamento da pandemia “é um milagre sem precedentes na história da saúde pública mundial”, disse Kim sob aplausos estrondosos, segundo a KCNA.

"A vitória conquistada por nosso povo é um evento histórico."

"Febre alta" de Kim

A poderosa irmã de Kim, Kim Yo Jong, disse que o próprio líder esteve doente durante o surto, de acordo com outro relatório da KCNA.

Kim "estava com febre alta durante os dias dessa guerra de quarentena, mas não conseguia deitar-se um momento enquanto pensava nas pessoas pelas quais era responsável", disse sua irmã.

Esta é a primeira vez que a Coreia do Norte indica que o seu líder – cuja saúde é objeto de escrutínio extraordinariamente minucioso por analistas – foi infetado pelo coronavírus.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.