“Ninguém da Europa sairá desta crise se não sairmos todos em conjunto. Muitos dizem que se trata de discutir a solidariedade, mas não. É algo puramente racional: todos vivemos e dependemos do mercado interno, que interessa a todos, desde os mais aos menos atingidos. Ou saímos todos juntos ou perecemos todos juntos”, sublinhou o primeiro ministro português.

Numa mensagem de vídeo enviada à cimeira global da OIT (Organização Internacional do Trabalho) dedicada ao tema “Covid-19 e o mundo do trabalho”, o primeiro-ministro reforçou a importância de ter uma União Europeia (UE) “forte” e capaz de percorrer este caminho.

“Sabemos bem que não é uma missão que cada um possa travar isoladamente, assim como nenhum país o pode fazer isoladamente nesta economia global. É por isso que a reposta tem de ser global, e aí a palavra da OIT é fundamental. Este não é o tempo de romper com as organizações multilaterais, é o tempo de as reforçar, de reforçar a capacidade de coordenação e de resposta económica. Mais do que nunca precisamos de uma UE forte”, vincou António Costa.

O líder do executivo considerou que deve ser seguido o exemplo da Comissão Europeia, que através do programa extraordinário de recuperação económica permitirá “legar nas gerações futuras uma Europa reconstruída, recuperada e que seja de novo o motor de uma economia global”.

“É por isso que os países se devem unir e trabalhar em conjunto para encontrar soluções justas, tendo sempre presente que o nosso futuro coletivo só se fará com maior igualdade laboral e mais direitos, uma proteção social robusta e mais alargada, e com um olhar diferente para as potencialidades dos diferentes países”, acrescentou.

Assumindo que esta crise tem “contornos inéditos”, António Costa salientou o caminho feito por Portugal na resposta à pandemia, exaltando os méritos do estado social.

“A crise pandémica tornou inquestionável o valor do estado social. Foi graças ao estado social que conseguimos ter um SNS robusto, capaz de responder às necessidades dos portugueses, foi graças a este estado social que tivemos uma Segurança Social, reformulada nos últimos anos na sua sustentabilidade, capaz de responder prontamente às necessidades de proteção do emprego, do rendimento das famílias e dos trabalhadores, e foi também o estado social que permitiu uma escola pública, que mesmo impedida de funcionar presencialmente, foi capaz de se reinventar em novas formas de trabalho à distância, mas que nunca largou os seus alunos”, recordou o chefe de governo.

Sobre as medidas adotadas em Portugal no apoio aos trabalhadores e empresas, António Costa destacou a simplificação das medidas de ‘lay-off’, os apoios extraordinários às famílias e a prorrogação automática das prestações de desemprego, reconhecendo que se vivem “tempos de exceção” e que esta crise tem “consequências assimétricas”.

“Não nos podemos conformar com esta realidade e temos de, na saída desta crise, trabalhar para ter sociedades mais justas, igualitárias e que assegurem maior proteção social para todos”, conclui o primeiro-ministro português.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.