“Há um risco real de os sistemas de saúde ficarem agora saturados, devido ao aumento do número de casos, e ao nível da UE esperamos que exista, o mais rapidamente, colaboração e solidariedade para podermos enfrentar a atual situação”, declarou a comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides, falando em conferência de imprensa após a reunião dos ministros europeus com esta tutela.

Assim, “estamos a pedir aos Estados-membros que respondam aos avisos prévios da Comissão e organizem transferências transfronteiriças de pacientes e disponibilizem camas nos hospitais”, concretizou a responsável, nas declarações aos jornalistas por via digital, como decorreu também a reunião dos ministros da Saúde.

Isto poderia permitir, por exemplo, transferir doentes com Covid-19 da Bélgica, que é o Estado-membro com mais casos face à dimensão da população, para países vizinhos, como o Luxemburgo.

“O que é importante perceber é que estamos a trabalhar com a informação que nos é disponibilizada por parte dos Estados-membros relativamente à sua capacidade nos cuidados intensivos”, contextualizou Stella Kyriakides.

“Se não tivermos informação, não seremos capazes de avançar”, insistiu a comissária europeia, apelando à troca de informação precisa e atualizada entre os países da UE.

Após a Europa ter registado, na semana passada, um total de 1.104.121 novos casos positivos de covid-19, Stella Kyriakides deixou a garantia de que a UE será “capaz de reduzir os números desta pandemia, como já foi anteriormente”, mas vincou que, para isso, “é preciso atenuar o fardo sobre os sistemas de saúde”.

“Temos vindo a apoiar os Estados-membros para que estivessem preparados e eles estão hoje muito mais bem preparados do que estavam na primeira vaga”, assegurou a responsável, instando a um “esforço conjunto” para enfrentar esta segunda vaga de infeções, em que “os cidadãos têm um importante papel a desempenhar”.

As declarações surgem depois de, na quinta-feira à noite, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, ter anunciado que o executivo comunitário iria mobilizar 220 milhões de euros para transferência de pacientes com covid-19 para outros países da UE, visando evitar a rutura nos sistemas de saúde nacionais, nomeadamente nos cuidados intensivos.

“Vamos disponibilizar 220 milhões de euros para financiar o transporte transfronteiriço seguro de pacientes nos casos em que isso for necessário”, declarou a presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen.

Falando em conferência de imprensa após uma reunião entre os chefes de Estado e de Governo da UE sobre a covid-19, a líder da Comissão Europeia vincou que, para realizar essa transferência de doentes e o dinheiro em causa ser “bem utilizado, é preciso haver troca de informação” entre os países.

“Quanto mais os Estados-membros partilharem informação [uns com os outros], melhor poderemos coordenar a resposta. […] Por exemplo, se tivermos melhor partilha de dados sobre a capacidade dos cuidados intensivos, e onde existe menos capacidade, podemos permitir o transporte de pacientes e isso pode ser organizado atempadamente”, adiantou Ursula von der Leyen.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.