“A partir de 01 de setembro, os cidadãos estrangeiros não serão mais autorizados a entrar no território da Hungria. Os cidadãos húngaros que regressarem do estrangeiro deverão permanecer durante 14 dias em quarentena ou devem apresentar um teste negativo”, disse Gergely Gukyas, chefe de gabinete do primeiro-ministro húngaro, numa conferência de imprensa.

“Persiste o perigo de que [o vírus] entre [no país] a partir do estrangeiro”, sublinhou Gukyas, lembrando que o número de contágios de covid-19 está a crescer em toda a Europa e que a intenção do Governo é necessária “para defender a saúde dos húngaros, a economia e o início do ano escolar”.

“A medida não implica restrições à circulação o país”, referiu.

A Hungria, governada pelo primeiro-ministro ultranacionalista Viktor Orban – o Presidente é János Áder -, tem fronteiras terrestres com a Áustria, Croácia, Eslováquia, Eslovénia, Roménia, Sérvia e Ucrânia.

Nas últimas 24 horas, a Hungria registou 132 novos casos de covid-19, o número mais elevado desde abril, tendo diagnosticado um total de mais de 5.500 infetados. Pelo menos 600 pacientes morreram devido ao novo coronavírus.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 832 mil mortos e infetou mais de 24,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.