"Com testes feitos [da covid-19], doentes a serem tratados como devem ser tratados, com equipamentos de proteção individual, com distanciamento assegurado, penso que o dia 03 de maio, dia de hoje, era já um dia bom para isso, não é possível, mas é o Dia da Mãe, era uma forma concreta de o podermos celebrar", afirmou à Lusa o presidente da CNIS, Lino Maia, reforçando que tal "não é possível", porque "não está decidido".

Segundo a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, ainda não é possível apontar uma data certa para o levantamento da suspensão das visitas em lares, instituições que estão de portas fechadas, a nível nacional, desde 16 de março, situação que se iniciou na região Norte, em 07 de março.

"Primeiro é preciso eliminar riscos, reduzir ao mínimo o perigo de contágio, e é isso que estamos a fazer ao testar todos os funcionários de lares - o perigo vem de fora - e idosos sintomáticos a nível nacional, o que deverá estar concluído daqui a duas ou três semanas”, afirmou a ministra Ana Mendes Godinho, na sexta-feira, numa entrevista ao jornal Expresso.

“Soma-se a isso a formação dos trabalhadores em questões de segurança e o reforço dos recursos humanos. E, mesmo assim, só se avançará com datas quando a avaliação técnica da Direção-Geral da Saúde (DGS) o permitir", acrescentou.

Para o padre Lino Maia, presidente da CNIS, deve-se, "pelo menos, apontar uma data" para o levantamento da suspensão das visitas aos idosos que estão em lares, lembrando que a proibição das visitas "foi a primeira medida adotada" no âmbito da pandemia da covid-19, em que "as instituições cumpriram religiosamente e compreendem perfeitamente essa medida", mas "já lá vão dois meses".

"Os idosos estão ali enclausurados", ressalvou Lino Maia, reclamando que "não podem ser esquecidos, não podem ser abandonados".

"Com testes feitos, com equipamentos de proteção individual assegurados, com os doentes covid-19 a ser tratados como devem ser tratados, com identificação de espaços para que só uma visita de cada vez possa ser feita, com distanciamento entre o utente e a visita, com moderação, com programação, penso que era oportuno pensar-se já em visitas", reforçou o presidente da CNIS, em declarações à agência Lusa, acrescentando que os idosos também vão tendo notícias sobre a retoma da atividade económica e a reabertura de escolas e creches.

Assim, as instituições de solidariedade defendem que é "conveniente e necessário" avançar com uma data a partir da qual será possível retomar as visitas nos lares, de forma programada, acautelando que não se trata de "escancarar as portas".

"A data não pode ser muito lá para adiante, não podemos pensar que 01 de outubro é o Dia Mundial dos Idosos, não pode ser para essa data, tem de ser para mais cedo, muito mais cedo", declarou Lino Maia, esperando que a data para levantar a suspensão das visitas nos lares seja "em breve", com todos os cuidados de segurança devido à covid-19.

Com 847 lares no país, a CNIS tem procurado assegurar, permanentemente, os contactos dos idosos com os seus familiares, tarefa que "não é fácil" e acaba por ser insuficiente: "O idoso precisa de ver um sorriso, precisa de partilhar uma lágrima, ainda que não seja e não pode ser em contacto físico, mas visivelmente é importante que isso aconteça".

Sobre iniciativas de lares que estão a organizar visitas, assegurando a distância de segurança entre utentes e familiares, o representante das instituições de solidariedade considerou que "é louvável" a capacidade de ir descobrindo formas de manter idosos e famílias em contacto, mas não se pode "unilateralmente tomar qualquer decisão que antecipe uma decisão vinda de cima".

"É importante que multipliquemos contactos, mas à distância, com os meios que estão facultados, mas a entrada no lar ainda não é autorizada, por isso temos de aguardar", advertiu.

Portugal contabiliza 1.023 mortos associados à covid-19 em 25.190 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia divulgado no sábado.

Portugal entrou hoje em situação de calamidade, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta nova fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância ativa, o dever geral de recolhimento domiciliário e o uso obrigatório de máscaras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.