Devido ao novo coronavírus, um voo das Linhas Áreas de Angola (TAAG) de Maputo para o Porto, com escala em Luanda, foi cancelado, sem que a companhia tenha dado alternativas para Portugal, disse José Fonseca, um dos passageiros.

A Lusa ouviu testemunhos segundo os quais, nem a companhia, nem seguros de viagem estão a assumir os custos de prolongamento da estadia em Maputo, alegando o caráter excecional da pandemia provocada pelo novo coronavírus.

A única companhia que ainda faz a ligação entre Lisboa e Maputo é a portuguesa TAP, mas é difícil encontrar lugar e os que há têm preços proibitivos, lamentou José Fonseca, que precisaria de cinco bilhetes, para ele, a mulher e três filhos.

O grupo continua a encetar contactos com as companhias aéreas, em busca de soluções, mas apelou às autoridades portuguesas.

“Estamos a apelar a todas as companhias aéreas ou até mesmo ao Governo português para nos ajudar a sair daqui”, afirmou José Fonseca.

Não se trata só de uma questão do “prejuízo que se está a acumular” para a família, mas também de temor face à ameaça de a pandemia atingir o país.

“Quando chegar [a Moçambique], não vai ser uma situação fácil. Não temos uma situação de saúde que me possa agradar”, referiu o português de Vila do Conde.

Aveline Santos, 31 anos, trabalhou durante 24 dias no norte de Moçambique numa parceira entre a Universidade de Aveiro e a Universidade Católica de Moçambique e agora vive momentos de incerteza.

“É das poucas vezes que usei a palavra, mas ontem fiquei mesmo em pânico. Hoje já chorei muito. Só queria fechar os olhos e que tudo acabasse”, descreveu.

Apesar de ter recebido indicação de que talvez possa reservar lugar num voo da TAP, no sábado, tem recebido também informações contraditórias: há passageiros que referem que o avião “já está cheio”, outros dizem que “já não haverá” ligação.

Tudo somado, ficar retida em Maputo “é uma questão de saúde, de segurança, de stress, mas também financeira”: “A minha missão terminou, o seguro de vigem não se responsabiliza, por esta ser uma situação excecional e a TAAG também”.

“Precisamos mesmo de ajuda, que Portugal possa olhar e pensar que existem aqui muitos como nós, em situação difícil e alguns em situações até precárias”, acrescentou.

Hugo Silvestre está com a família alargada numa visita ocasional a Moçambique que ameaça tornar-se num problema.

“Temos reservas [financeiras] para alguns dias com qualidade, mas se a solução só surgir daqui a duas a três semanas, vamos ter algum momento difícil e isso preocupa-nos”, contou.

“O que pedimos ao Estado português é que nos tratem da mesma forma que trataram cidadãos que estavam na China e Marrocos, que nos consigam vir buscar”, concluiu.

Frederico Silva, cônsul-geral de Portugal em Maputo, disse à Lusa que além dos passageiros que deviam seguir no voo da TAAG de quarta-feira, há outros já sinalizados no total de nove países sob a sua alçada.

O total é um número ainda “indeterminado” de pessoas maioritariamente deslocadas em turismo ou negócios e que “face aos novos contextos têm dificuldade em regressar ao país”.

Segundo referiu, está a ser feito “o máximo que é possível fazer para encontrar soluções caso a caso”, admitindo tratar-se de uma tarefa “colossal”.

Há “necessidades ainda indeterminadas”, mas o objetivo é que todos possam regressar a Portugal “o mais cedo possível”, assegurou.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou mais de 220 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 9.000 morreram.

Das pessoas infetadas, mais de 85.500 recuperaram da doença.

O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se já por 176 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou hoje o número de casos confirmados de infeção para 785, mais 143 do que na quarta-feira. O número de mortos no país subiu para três.

Dos casos confirmados, 696 estão a recuperar em casa e 89 estão internados, 20 dos quais em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI).

O boletim divulgado pela DGS assinala 6.061 casos suspeitos até hoje, dos quais 488 aguardavam resultado laboratorial.

Segundo os dados mais recentes da DGS, o número de casos recuperados manteve-se em três. No entanto, o SAPO24 confirmou na manhã do dia 18 de março um quarto caso de recuperação, que já teve alta do Hospital de São João do Porto, mas que não é considerado nesta contagem.

De acordo com o boletim, há 8.091 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde.

Atualmente, há 24 cadeias de transmissão ativas em Portugal.

Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de hoje.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.