Num vídeo enviado às redações, na sequência da audiência que teve hoje por meios digitais com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sobre a renovação do estado de emergência, Rui Rio considerou que o país vive atualmente “uma situação muito grave” na evolução da pandemia de covid-19, depois de também ter participado de manhã, por videoconferência, na reunião dos especialistas do Infarmed.

“Obviamente que a país tem de tomar medidas e não pode continuar como até aqui, sob pena de nós multiplicarmos os infetados e, pior de tudo, os óbitos. Por isso, o PSD vai obviamente continuar a apoiar o estado de emergência”, afirmou, reiterando, como tem afirmado desde o início da pandemia, que “não há espaço para cálculos partidários”.

Rui Rio, que também está em isolamento profilático por ter tido um contacto com um infetado com covid-19 (o vice-presidente do PSD Salvador Malheiro), afirmou que o PSD “assume a responsabilidade de votar a favor para que o Governo tenha os meios de que precisa para combater melhor ainda a pandemia”, dizendo que “até à data” esse combate não tem sido feito “da melhor forma”.

O líder do PSD considerou que a questão das aulas “é nevrálgica” no próximo estado de emergência e, recorrendo ao que ouviu na reunião do Infarmed, apontou que “os especializas são unânimes em dizer que nas idades mais jovens não há problema”, situando este universo até às crianças de 12 anos, que cumprem até ao sexto ano de escolaridade, defendendo que deverão continuar em ensino presencial.

“Para mim é evidente que o secundário não deve ter [aulas presenciais] e que o superior também não deve ter, só deve ter para exames, uma vez que estamos na transição de um semestre para outro”, disse.

A zona ‘cinzenta’, considerou, serão os alunos do 7.º, 8.º e 9.º anos.

“Do ponto de vista sanitário, tudo aconselharia a que esses também não tivessem aulas presenciais (…), parece-me que seria mais prudente que também não tivessem aulas presenciais agora durante o próximo estado de emergência” afirmou.

O parlamento prevê debater e votar na quarta-feira de manhã o pedido de autorização de renovação do estado de emergência, que deverá ser hoje solicitado pelo Presidente da República.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.945.437 mortos resultantes de mais de 90,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 8.080 pessoas dos 496.552 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

O estado de emergência decretado em 09 de novembro para combater a pandemia foi renovado com efeitos desde as 00:00 de 08 de janeiro, até dia 15.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.