Com uma população de 1,3 mil milhões de pessoas, a Índia é o segundo país do mundo com o maior número de infeções, depois dos Estados Unidos, totalizando mais de 5,4 milhões de contágios desde o início da pandemia.

Apesar disso, o Governo indiano está gradualmente a abrandar as regras instauradas para combater a pandemia, levantando restrições aos voos domésticos e à circulação de comboios ou à reabertura de mercados e restaurantes.

Encerrado ao público desde 17 de março, o Taj Mahal recebeu hoje novamente visitantes, depois de a reabertura, inicialmente anunciada para o início de julho, ter sido adiada pelo Ministério da Cultura indiano, devido ao aumento de casos no país.

Construído no século XVII no norte da Índia, em Agra, 200 quilómetros a sul de Nova Deli, o mausoléu de mármore branco regista sete milhões de visitantes por ano.

O monumento, considerado Património Mundial da Humanidade pela UNESCO, foi construído em homenagem à segunda mulher do imperador Shah Janan, a princesa Mumtaz Mahal, que morreu em 1631.

O anúncio da reabertura foi feito há duas semanas, tendo as autoridades garantido que a medida vai ser acompanhada de "todos os protocolos relacionados com a covid-19", incluindo uso obrigatório de máscara, medição da temperatura à entrada e limite ao número máximo de visitantes, de acordo com a agência de notícias France-Presse (AFP).

Apenas cinco mil visitantes serão admitidos por dia, um quarto do número habitual, informaram as autoridades.

A Índia é o segundo país do mundo com o maior número de casos, atrás apenas dos Estados Unidos, e o terceiro com mais mortos, depois daquele país e do Brasil.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.