Os dados sobre o fenómeno, já designado por “covid longo”, resultam de um estudo do Gabinete Nacional de Estatísticas britânico (ONS, na sigla em inglês), hoje divulgado, abrangendo 20 mil infetados com covid-19 entre 26 de abril de 2020 e 6 de março de 2021.

Segundo o ONS, 13,7 por cento dos infetados apresentaram, 12 semanas depois da infeção, sintomas como dores musculares e cansaço.

Enquanto 14,7 por cento das mulheres manifestaram sintomas prolongados, a percentagem entre homens era inferior, 12,7%.

Por grupo etário, a maior percentagem de “covid longo” registou-se na faixa 25-34 anos (18,2%).

Matt Hancock, ministro da Saúde britânico, afirmou à Sky News que os resultados do estudo são “inquietantes” e que o Governo irá futuramente financiar mais pesquisas para "compreender o covid longo".

A pandemia de covid-19 fez cerca de 127 mil mortos no Reino Unido.

Atualmente, o país é um dos líderes mundiais na vacinação, tendo aplicado já 31 milhões de primeiras doses e 4,5 milhões de segundas doses, desde o início da campanha em dezembro de 2020.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.