Num despacho deste sábado, a Universidade do Minho (UMINHO) determinou a suspensão das "atividades pedagógicas no campus de Gualtar", dos "eventos e atividades desportivas", e o encerramento dos "serviços de bibliotecas e as unidades alimentares" no campus de Gualtar. Para além disso, é também suspensa "a realização de conferências, seminários, cerimónias e eventos de natureza similar" naquele local.

Já o edifício do Instituto de Ciências Sociais — Edifício 15 do campus de Gualtar — será mesmo encerrado.

Estas são algumas das medidas anunciadas após a confirmação de um caso de Covid-19 na comunidade universitária deste campus.

No despacho, a instituição sublinha "a necessidade de a Universidade assumir uma posição que contribua ativamente para
a prevenção e o controlo da COVID-19" para justificar as medidas, que incluem determinam ainda que "não são autorizadas, a partir de hoje, deslocações em serviço;​ são suspensas as deslocações em serviço que tenham sido previamente autorizadas".​​

Já os "professores, investigadores, trabalhadores técnicos, administrativos e de gestão e estudantes oriundos de países com casos confirmados de Covid-19 devem voluntariamente submeter-se a um período de quarentena, de 14 dias, após a sua chegada ao país", diz o despacho, divulgado na página online daquela academia.​

Após a revisão em alta do número de infetados em Portugal com o novo coronavírus — SARS-CoV-2  —, responsável pela doença Covid-19, a ministra da Saúde, Marta Temido, anunciou o encerramento de uma escola de Idães, em Felgueiras, do edifício do curso de História da Universidade do Minho, e dos edifícios do complexo onde funcionam o Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) e da Faculdade de Farmácia (FFUP), ambos da Universidade do Porto.

“Identificámos que casos recentemente confirmados como Covid-19 estiveram em instituições de ensino, elevando o risco de transmissão nessas instituições", disse a ministra da Saúde, Marta Temido, numa conferência de imprensa conjunta com a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

"Assim, a autoridade nacional e as autoridades regionais de saúde recomendaram tecnicamente o encerramento da Escola Básica e Secundária de Idães em Felgueiras, da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, do ICBAS [Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, também da Universidade do Porto], e do edifício onde funciona o curso de História da Universidade do Minho”, precisou Marta Temido.

A ministra acrescentou que as autoridades de saúde estão neste momento a avaliar “se outras medidas serão necessárias”.

Estas medidas foram anunciadas depois de ter sido divulgada a confirmação de 21 casos de infeção com o novo coronavírus em Portugal.

Para além dos impactos pedagógicos, a Universidade do Minho vai também mudar "o modo de funcionamento das unidades de serviços da Universidade, dos Serviços de Ação Social e dos serviços das unidades orgânicas, com atividade no campus de Gualtar". As mudanças serão anunciadas ainda antes desta segunda-feira.

"Até que se encontrem disponíveis soluções de desinfeção para colocação ao lado dos terminais de leitura biométrica para controlo de assiduidade, está suspensa a utilização destes equipamentos. O controlo e validação de assiduidade no período em que estiver suspensa a utilização dos referidos terminais será feita pelo respetivo superior hierárquico direto" esclarece ainda a instituição.

*Com Lusa

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.