“Pelas informações de que dispomos, o petroleiro angolano deverá atracar no porto de Neves [norte da ilha de São Tomé] às cerca das 04:00 e acreditamos que, o mais tardar até às 12:00, os postos de venda [de combustível] já estejam abastecidos”, afirmou.

Nos últimos cinco dias, o país tem estado praticamente às escuras, com a Empresa de Água e Eletricidade (Emae, pública) a fornecer apenas quatro horas de luz por dia.

Fonte desta empresa avançou como justificação a suspensão no abastecimento de gasóleo pela Empresa de Combustíveis e Óleo (Enco).

A Enco, por seu lado, acusou a Emae de “falta de capacidade de gestão de stock”.

“Os responsáveis da Emae sabem que nos últimos meses temos vivido uma situação diferente do habitual, ou seja, não temos recebido a quantidade regular de combustíveis que vínhamos recebendo de Angola. Por isso eles deviam saber gerir o stock que recebem da Enco”, disse a fonte.

De acordo com a fonte governamental, a quantidade de combustíveis que chegavam anteriormente de Angola “diminuiu consideravelmente, muito por conta dos problemas internos deste país”, mas lamenta também o açambarcamento, sobretudo, do gasóleo e petróleo doméstico nos postos de abastecimento.

Reconhece que nos últimos meses a rotura de combustível tornou-se frequente e para ultrapassar a situação o Governo está a negociar com as autoridades angolanas o reforço do fornecimento.

A crise principalmente do gasóleo e do petróleo doméstico em São Tomé e, consequentemente de energia elétrica, acontece numa altura em que o país assinala o 44.º aniversário da independência que se comemora a 12 de julho.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.