Em comunicado, o governador da região sudanesa disse que os civis das cidades de Kutum e Al Geneina, no Darfur, vivem em condições consideradas “horríveis”.

“Condeno veementemente os saques e assassínios que ocorreram e ainda estão a ocorrer na cidade afetada de Kutum, no campo de Kasab e na cidade de Nyala (capital do sul do Darfur) desde ontem e declaramos o Darfur como zona de catástrofe”, refere a nota divulgada.

Os confrontos entre o exército e o grupo paramilitar Forças de Apoio Rápido (FAR) recomeçaram na região, especialmente na cidade de Kutum, causando mortes e feridos entre a população civil, mas sem que haja números concretos.

Um porta-voz do Crescente Vermelho sudanês (uma organização humanitária), Mohamed Dosa, disse hoje à agência EFE que pelo menos 25 pessoas morreram no sábado quando os paramilitares das FAR atacaram a cidade de Kutum e entraram em confronto com tropas do exército.

Al Geneina tem sofrido uma violência sem precedentes nas últimas semanas, com mais de 460 mortos e milhares de feridos, sem um único hospital a funcionar e sem acesso a água ou eletricidade, segundo o Conselho Norueguês para os Refugiados.

Os confrontos entre o exército e os paramilitares começaram a 15 de abril e nenhuma das partes reagiu ainda ao apelo lançado hoje pelos Estados Unidos e Arábia Saudita para recomeçarem o diálogo para alcançar uma nova trégua, depois da última ter terminado no sábado à noite.

As tréguas que têm sido acordadas, incluindo as duas últimas (de sete e cinco dias) não têm sido respeitadas apesar da pressão de Washington e Riade, que patrocinaram um diálogo indireto entre as partes desde 6 de maio, suspenso devido às várias violações do cessar-fogo.

O conflito no Sudão fez pelo menos 850 mortos e mais de 5.500 feridos e já causou o deslocamento interno e externo de mais 1,3 milhão de pessoas, segundo as Nações Unidas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.