Tal como na quinta-feira, altura em que estiveram no TIC para identificação, os arguidos chegaram às instalações judiciais em três carros da Polícia Judiciária (PJ), a partir do estabelecimento prisional anexo à PJ/Porto.

Os arguidos são os presidentes das câmaras de Barcelos, Miguel Costa Gomes, e de Santo Tirso, Joaquim Couto, o presidente do Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto, Laranja Pontes, e a empresária Manuela Couto, administradora da W Global Communication, sendo que a empresária já tinha sido constituída arguida em outubro, no âmbito da operação Éter, relacionada com o Turismo do Norte.

"Temos a indicação de que todos os detidos vão prestar declarações”, segundo avançou na quinta-feira o advogado Nuno Cerejeira Namora, que representa o arguido Miguel Costa Gomes, presidente da Câmara de Barcelos.

O causídico disse ainda que o seu cliente será o primeiro a falar ao juiz de instrução.

Os advogados, que tinham saído do TIC já depois das 00:00, após consulta do processo, regressaram às instalações judiciais entre as 09:20 e as 09:30, ou seja, antes dos arguidos.

A operação "Teia" centra-se nas autarquias de Santo Tirso e Barcelos bem como no IPO/Porto e investiga suspeitas de corrupção, tráfico de influência e participação económica em negócio, traduzidas na "viciação fraudulenta de procedimentos concursais e de ajuste direto", segundo comunicado da Diretoria do Norte da Polícia Judiciária, o órgão de polícia criminal que apoia o Ministério Público neste caso.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.