"O distrito de Castelo Branco vai perder seis corporações [de bombeiros]. Neste momento, tem 12 corporações. Com esta organização territorial, a Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa vai passar a ter seis. As restantes três corporações passam para a Comunidade Intermunicipal Beiras e Serra da Estrela e as outras três para o Médio Tejo", explicou à agência Lusa José Neves.

O presidente da Federação dos Bombeiros do Distrito de Castelo Branco sublinha que esta reorganização "não faz qualquer sentido" e fala em "capricho" do secretário de Estado da Proteção Civil.

Atualmente, o distrito conta com 12 corporações de bombeiros, mas, com a nova reorganização, Covilhã, Fundão e Belmonte passam a integrar a CIM Beiras e Serra da Estrela, e a Sertã, Vila de Rei e Cernache do Bonjardim passam para a CIM do Médio Tejo.

"Só alguns presidentes de câmara e o secretário de Estado [da proteção Civil] é que entendem isto como vantajoso. É a destruição de uma união muito grande que existia no distrito, de uma organização que existia na ótica distrital e que deixará de existir", sustenta.

José Neves alerta ainda para o enfraquecimento da unidade territorial.

"Vamos ser a única organização que está alinhada pelas NUT [Nomenclatura das Unidades Territoriais para Fins Estatísticos]. Em termos organizacionais e administrativos, quem tiver que lidar com isto não vai ser fácil", sublinha.

Em termos operacionais, explica que, a partir do momento em que deixam de estar guarnecidos por bombeiros que estejam na mesma CIM, a intervenção de outros corpos de bombeiros vai depender de uma autorização dessa CIM para libertar meios para a outra.

"Aquilo que hoje é automático deixará de o ser", conclui.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.