“O objetivo do JPP é manter ou crescer”, disse o cabeça de lista, Élvio Sousa, numa entrevista à agência Lusa a propósito das eleições legislativas regionais, marcadas para 22 de setembro.

O candidato criticou a divulgação de “vencedores antecipados com base em estudos de opinião ou sondagens”, apontando que “basta confrontar com dados concretos pós eleitorais para chegar à conclusão que estes não são totalmente fiáveis”.

O também arqueólogo madeirense defendeu que “um governo de não maioria é um governo com maior pluralidade e maior capacidade de resolver os problemas da população”.

A posição do partido em relação ao PSD é “muito clara”, disse, insistindo que os sociais-democratas são o principal “adversário político” do JPP, pelo exclui “qualquer hipótese” de coligação com o partido que suporta atualmente o Governo Regional.

Mas, o partido também “não está interessado em entendimentos com o PS ou outro partido qualquer”, nem pretende “dar carta branca” aos socialistas, porque não está na génese do JPP “qualquer assalto ao poder”, já que, afirmou, o partido se posiciona “cada vez mais distante do arco da governação”.

Se a necessidade de uma coligação surgir, o cabeça de lista enfatizou que “aquilo que vai suceder num período pós eleitoral é a consulta da população, por diversas formas, dos órgãos do partido e depois é a consciência coletiva que vai prevalecer”.

“Por isso, não temos nenhuma pretensão artificial ou materialista de estabelecer qualquer acordo com qualquer partido”, referiu, enunciando que será garantido à população que o JPP está “totalmente isento”.

O cabeça de lista anunciou que “é a partir de 2023” que o JPP vai estar “preparado para governar”.

O JPP, que governa o município de Santa Cruz, “não tem a pretensão de vender a sua forma de estar a qualquer preço, enganando a população”.

Élvio Sousa considerou ser constatável que “as pessoas têm o desejo de uma mudança” na região mas, no seu entender, “a verdadeira coligação” é de caráter “comercial e empresarial, já foi feita há mais de um ano” na Madeira.

“Neste momento, os cabeças de lista a deputados - não a presidentes dos governo - são atores que estão a ler o que o ‘lobby’” económico lhes dá para ler e é isso que preocupa o projeto do JPP”, declarou.

O candidato assegurou ainda que os elementos do JPP não estão a ser “telecomandados nem por Lisboa, nem por qualquer grupo económico”.

Sobre a campanha eleitoral, Élvio Sousa diz que “já está a ser feita durante todo o ano” pelo partido, assente na proximidade com as pessoas, sem comícios, “começando devagarinho no início de setembro”, sem qualquer tipo de "stress ou intranquilidade".

O JPP estreou-se nas eleições regionais de 2015 e foi a grande surpresa da noite: obteve 13.114 (10,28%), sendo a quarta força mais votada, com a eleição de cinco deputados.

*Por Ana Basílio (texto) e Homem de Gouveia (foto), da agência Lusa

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.