O ano de 2016 foi o mais quente e 2019 veio a seguir, segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM).

“Infelizmente, aguardam-nos muitos fenómenos metereológicos extremos em 2020 e nas próximas décadas, motivados pelos níveis recorde de concentração de gases com efeito de estufa que retêm o calor na atmosfera”, afirmou o secretário-geral daquela agência da Organização das Nações Unidas (ONU), Petteri Taalas, em comunicado.

O responsável referiu que o ano começou com “fenómenos meteorológicos e climáticos de forte impacto”, como na Austrália, que “teve em 2019 o seu ano mais quente e mais seco” de sempre, acrescentou.

Esse clima “preparou o terreno para os incêndios imensos que foram tão devastadores”, matando 28 pessoas, destruindo mais de 2.000 casas e 100.000 quilómetros quadrados, uma área maior do que o território da Coreia do Sul.

Desde a década de 1980, cada década foi mais quente que a anterior, segundo a OMM, que salientou que a temperatura mundial anual em 2019 ultrapassou em 1,1 graus a média das temperaturas globais da época pré-industrial (1850-1900).

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.