“Os regulamentos que temos de cumprir são enormes, tremendos, dependendo de reguladores nacionais e europeus. É preciso um trabalho de engenharia grande, significativo, que não é o mais caro, mas para montar um avião é preciso dinheiro”, afirmou à agência Lusa o presidente da associação.

João Moura Ferreira falava à agência Lusa a propósito do centenário da primeira Travessia Aérea do Atlântico Sul, que se assinala em 2022, um feito que juntou um grupo de apaixonados pela aviação, reconhecidos a Sacadura Cabral e Gago Coutinho

A primeira Travessia Aérea do Atlântico Sul (TAAS) começou às 06:45 de 30 de março de 1922, a partir da rampa do Centro de Aviação Naval, na Doca do Bom Sucesso, em Lisboa.

A Lusitânia100 tinha incluído no seu programa de divulgação do acontecimento o estudo e a realização de uma réplica voável do hidroavião Fairey III D, igual ao terceiro aparelho usado na travessia, o Santa Cruz, o qual se encontra no Museu da Marinha.

Visualmente semelhante, o “Lusitânia 2022” – o primeiro avião usado na viagem inicial chamava-se “Lusitânia” - incorporará novas tecnologias e materiais, mas a sua construção está por agora suspensa, por falta de verbas, mas não só.

“Projetar um biplano não é uma coisa fácil, não há muita gente no mundo que o consiga fazer. É um processo de cálculo diferente dos atuais”, disse.

Mas são os regulamentos que a construção de um avião tem de cumprir que mais dificuldades colocam a estes apaixonados pela aviação, que se juntaram para celebrar Sacadura Cabral (piloto) e Gago Coutinho (navegador), que há quase 100 anos percorreram 4.527 milhas náuticas (8.484 quilómetros), em 62 horas e 26 minutos.

Se a construção é “relativamente simples”, a parte mais complicada será “o custo da propulsão”. João Moura Ferreira diz que nem se atreve a avançar um valor, acreditando que o mesmo já não está ao alcance de apenas um grupo de pessoas.

O projeto ficou, para já, em “banho-maria”, com os elementos do Lusitânia100 a garantirem que o sonho continua, a réplica surgirá e que o presidente da associação, que ainda não desistiu de tirar o brevete, será o primeiro a pilotar o “Lusitânia2022”.

O que vai avançar e já este ano é um simulador do voo efetuado por Sacadura Cabral e Gago Coutinho, que estará acessível no Portugal Air Summit 2021, que se realiza de 13 a 17 de outubro, no Aeródromo Municipal de Ponte de Sor.

“As pessoas terão uma noção muito clara do que é duas pessoas estarem apertadas em pouco mais de um metro quadrado e ali ficar durante 11 horas e 20 minutos”, disse.

O objetivo da associação é levar este simulador a várias capitais de distrito ou mesmo cedê-lo a escolas ou outras instituições, de forma que as pessoas “sintam o que Sacadura Cabral e Gago Coutinho sentiram e para terem uma ideia do que foram capazes de realizar”.

Os dois aventureiros, que já tinham trabalhado juntos em África, nomeadamente na delimitação de fronteiras de países, como Angola, utilizaram três aviões e pararam em Las Palmas (Canárias) e São Vicente (Cabo Verde), antes de atingirem o Brasil no chamado “grande salto” que durou 11 horas e 21 minutos.

O secretário da associação Lusitânia100, João Moura Ferreira. créditos: RODRIGO ANTUNES/LUSA

Hidroavião de Sacadura Cabral e Gago Coutinho é único no mundo e está em Lisboa

Um dos hidroaviões que há quase 100 anos transportaram Sacadura Cabral e Gago Coutinho na primeira Travessia Aérea do Atlântico Sul está exposto no Museu da Marinha, em Lisboa, e é o único aparelho original no mundo.

Em entrevista à agência Lusa, o secretário da associação Lusitânia100, criada para invocar a travessia, que celebra 100 anos em 2022, explicou que o sobrevivente “Santa Cruz” foi a terceira aeronave a ser utilizada por Sacadura Cabral (piloto) e Gago Coutinho (navegador).

Jorge Lima Basto, engenheiro aeronáutico, ressalva as principais características deste hidroavião, “todo construído em madeira e forrado a tela”, de um modelo (Fairey III) que era, na época, muito comum na aviação naval portuguesa, por serem leves e se adaptarem bastantes à aviação naval.

Neste hidroavião exposto no Museu da Marinha, após ter sido objeto de uma reparação, saltam à vista as pequenas dimensões da cabine de pilotagem.

“Eles tinham muito pouco espaço para se movimentar, o que também é incrível, como é que [conseguiram estar] tantas horas naquela posição, tanto o piloto (Sacadura Cabral), para fazer a pilotagem, como Gago Coutinho, para fazer as medições astronómicas. Era um espaço muito limitado”, afirmou Jorge Lima Basto.

Para esta viagem, Sacadura Cabral escolheu um motor Rolls-Royce Eagle, porque achava que era o mais eficiente. O avião tinha 350 cavalos e era, na altura “o mais adequado”.

Segundo Jorge Lima Basto, a velocidade atingida era na ordem dos 150 quilómetros por hora e a uma altitude máxima de 300, 400 metros.

A autonomia em termos de combustível foi suficiente para as etapas, sendo que o percurso mais longo do percurso, o “grande salto” (Cabo Verde – Brasil), durou 11 horas e meia e terminou sem grande combustível no depósito.

Jorge Lima Basto, que se assume um apaixonado pela aviação, desde criança, foi responsável pela construção da réplica do Fairey III D (“Santa Cruz”), que se encontra no Museu do Ar, em Alverca, quando se comemoraram os 50 anos da travessia (1972).

Profundo conhecedor desta travessia e dos três aviões que a tornaram possível – “Lusitânia”, “Portugal” e “Santa Cruz” – não esconde a admiração por Sacadura Cabral e Gago Coutinho: “Eram dois homens extraordinários, a capacidade de ambos, cada um na sua área. Coutinho sempre foi ligado a uma parte da navegação. Sacadura esteve sempre mais ligado à aeronáutica, foi diretor da aeronáutica, foi dos primeiros pilotos da aviação portuguesa, foi instrutor do primeiro curso de pilotagem em Portugal (1916) e é a sua evolução sempre esteve ligado aos aviões.

“Com a ligação entre os dois, conseguiram fazer esta viagem e com sucesso”, prosseguiu.

A 30 de março de 1922, Sacadura Cabral e Gago Coutinho iniciarem, em Belém, Lisboa, uma viagem que os levaria a percorrer 4.527 milhas náuticas (8.484 quilómetros), em 62 horas e 26 minutos.

O relatório desta primeira travessia está inscrito pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência (Unesco) no Registo da Memória do Mundo, estando classificado como Património da Humanidade.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.