Segundo a contagem oficial, o movimento Vetevendosje (Autodeterminação, VV, esquerda nacionalista) seguia na frente, com 48% dos votos, seguindo-se o Partido Democrático do Kosovo (PDK) com 18% e a Liga Democrática do Kosovo (LDK) com 14%.

Os resultados finais só serão conhecidos na segunda-feira, mas com aquela percentagem de votos já obtida, o VV, liderado por Albin Kurti, estará a escassos cinco ou seis deputados da maioria absoluta num parlamento com 120 lugares e com 20 reservados às minorias, 10 para os sérvios e número idêntico para as restantes.

As sondagens atribuíam ao VV entre 40 e 61 deputados.

As eleições legislativas no Kosovo foram antecipadas após o Tribunal Constitucional ter considerado em dezembro que a eleição pelo parlamento, seis meses antes, do Governo conservador de Avdulah Hoti fora ilegal.

Em 30 de janeiro, a comissão eleitoral central (KQZ) confirmou todos os candidatos a deputados, mas Albin Kurti, 45 anos, líder do movimento de esquerda nacionalista, e dois outros membros do mesmo partido foram excluídos das listas.

Os três dirigentes não foram autorizados a concorrer após veredicto do Supremo Tribunal do Kosovo, assente numa decisão do Tribunal Constitucional, de que os candidatos indiciados criminalmente nos últimos três anos seriam excluídos.

Em janeiro de 2018, Kurti foi considerado culpado de ter lançado gás lacrimogéneo no recinto do parlamento, durante a crise política do outono de 2015, e condenado a um ano e seis meses de prisão.

No entanto, esta medida não teve reflexos nas sondagens, e o VV venceu por curta margem as eleições de outubro de 2019 (26,27% e 29 deputados), com Kurti a ser eleito primeiro-ministro em fevereiro de 2020.

As eleições no Kosovo decorrem em plena segunda vaga da pandemia e as restrições, em particular o distanciamento social, foram respeitadas durante uma campanha caracterizada pela pobreza dos debates e dos programas.

Desde o final da guerra em 1999, o Kosovo organizou oito eleições legislativas (2001, 2004, 2007, 2010, 2014, 2017, 2018, 2019) e apenas um Governo conseguiu chegar a seu termo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.