O incidente aconteceu nas vésperas de o sueco voltar a vestir a camisola do AC Milan e levou à sua remoção, escreve o britânico 'The Guardian'.

Os pés da estátua do ex-internacional sueco foram serrados e a escultura derrubada; na cabeça foi colocada uma camisola da seleção nacional sueca. No chão, escrito com tinta azul, pode ainda ler-se "Remover".

Este não é, porém, o primeiro ato de vandalismo contra a estátua de Ibrahimovic inaugurada em outubro de 2019 e mandada erguer pela federação de futebol sueca.

Ainda no ano passado, a obra de bronze com mais de três metros de altura, já teve o seu nariz cortado, foi incendiada, pulverizada com tinta e teve uma sanita colocada sobre um dos braços.

Os adeptos do Malmo não perdoaram que Ibrahimovic, que começou nas escolinhas do clube e chegou à equipa principal, antes de seguir uma carreira de sucesso no estrangeiro, se tornasse coproprietário do clube rival, o Hammarby.

O sueco, de 38 anos, que se destacou como jogador no Ajax, AC Milan, Inter de Milão, Juventus, Paris Saint-Germain, FC Barcelona e Manchester United, adquiriu 50% das ações da filial sueca da empresa de espetáculos norte-americana AEG, dona do Hammarby e dos Los Angeles Galaxy.

No final de novembro, os jornais suecos escreviam que o cenário obrigou à colocação de uma vedação em lona e à presença de carros de patrulha no local, acrescentando que também a casa de Ibrahimovic, em Estocolmo, foi vandalizada com a palavra judas na porta.

Escreve a BBC que o artista da estátua, Peter Linde, também já havia solicitado para que os atos de vandalismo tivessem fim.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.