Falando numa conferência de imprensa no final do Conselho Europeu, no Porto, Macron disse que a administração liderada por Joe Biden comunicou essa intenção aos parceiros europeus durante a manhã.

Em 2019, data da adoção do citado Apelo, os estados Unidos recusaram-se a subscrevê-lo.

“Aproveito para me congratular com a decisão americana de se juntar a nós no quadro do Apelo de ChristChurch”, afirmou o Presidente francês.

O Apelo surgiu na sequência do ataque a duas mesquitas na cidade neozelandesa de ChristChurch, no qual morreram 51 muçulmanos.

O atentado foi perpetrado por um atirador, que aproveitou o Facebook para difundir o ataque, vídeo que se tornou viral.

No Apelo, trabalhado em conjunto por Macron e a primeira-ministra neozelandesa, Jacinta Ardern, as plataformas da internet – incluindo o Facebook (e as duas filiais WhatsApp e Instagram) e Google — comprometem-se a combater “os conteúdos ‘online’ terroristas ou extremistas violentos.

Na próxima semana, anunciou Macron, realizar-se-á um novo encontro no âmbito deste Apelo, já subscrito por 52 países, 10 grandes empresas e plataformas mundiais da internet, no qual será levado à prática um “programa ambicioso” que permitirá ir mais longe no combate à difusão do discurso do ódio, nomeadamente trabalhando com algoritmos.

Em março passado, a União Europeia (UE) adotou um regulamento sobre a divulgação de conteúdos terroristas ‘online’ que permite a remoção rápida desses conteúdos e estabelece um instrumento comum para enfrentar ameaças.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.