A conclusão consta num relatório do relator especial da ONU para a pobreza extrema e direitos humanos, Olivier De Schutter.

O relatório, divulgado na quarta-feira, refere que a escola é um lugar "onde as hierarquias se reproduzem e, no pior dos casos, se magnificam".

Nos países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), as crianças pobres tardam em média quatro a cinco gerações para alcançar o rendimento médio do seu país. No Brasil, Colômbia e África do Sul demoram nove ou mais gerações.

Nos Estados Unidos, uma criança de uma família de rendimentos altos conhece o dobro das palavras face a uma criança de uma família pobre, realça o relatório, exemplificando as desigualdades de oportunidades.

O documento conclui que a pobreza "não resulta da preguiça, da falta de autocontrolo ou de um planeamento deficiente", mas antes de "fatores estruturantes, como o desemprego alto, os salários estagnados e a discriminação".

Para o relator Olivier De Schutter, será necessário "investir na educação e nos cuidados na primeira infância, garantir que as escolas são verdadeiramente inclusivas e apoiar os jovens mediante uma garantia de rendimento básico" para que se possa quebrar "os círculos viciosos que fazem com que a pobreza se perpetue".

De acordo com Olivier De Schutter, a sociedade "não pode permitir-se a desperdiçar talento nem deteriorar o tecido social".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.