“[A manifestação] é um protesto contra o Governo pelo desrespeito que demonstrou pelos professores e um apelo à Assembleia da República e aos partidos no sentido de eles convergirem numa solução para a recuperação integral do tempo de serviço. Os olhos estão agora todos postos na Assembleia”, afirmou Mário Nogueira, à margem de um plenário distrital de educadores e professores, no Porto.

Avisando que vai ser uma “grande manifestação”, o dirigente sindical garantiu que os professores não vão desistir e irão dar o “tudo ou nada” nesta matéria, porque é uma questão de justiça e porque sentem “indignação e uma grande revolta” por o Governo ter aprovado um decreto-lei que “apaga” seis anos e meio de trabalho.

Contudo, Mário Nogueira assumiu que estes profissionais têm uma “grande expectativa e esperança” que o problema possa ser finalmente resolvido na Assembleia da República, através da apreciação parlamentar, dado vários partidos já se terem manifestado favoráveis à contagem integral do tempo de serviço.

“As pessoas sabem que só o PS não é favorável à recuperação de todo o tempo”, frisou.

O grande desafio é que os partidos políticos encontrem uma solução convergente financeiramente sustentável, considerou o secretário-geral da Fenprof.

Se a Assembleia da República não resolver a situação, a “frustração” dos professores será “enorme” porque a esperança está toda concentrada nela, afirmou.

Mário Nogueira contou que a haver convergência não será “algo inédito”, mas um momento de justiça e de demonstrar que “há apenas um partido no país que desconsidera os professores que é o partido do Governo”.

Além da recuperação do tempo de serviço, o secretário-geral da Fenprof recordou estarem em causa mais três questões, nomeadamente a aposentação, os horários e a precariedade na área.

“Vai ser um bom recado ao Governo, ao futuro governo e aos partidos em ano de eleições”, entendeu.

Em dezembro do ano passado, e depois de falharem as negociações com os sindicatos dos professores, o Governo aprovou a recuperação de dois anos, nove meses e 18 dias do tempo congelado, contra a reivindicação de nove anos, quatro meses e dois dias.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.