“Se vai haver um novo regime de concursos que permitirá a vinculação de professores, se este será um ano em que todos os professores têm o salário reposto na íntegra, se as escolas este ano têm mais 6.000 professores e precisam de assistentes operacionais que terão de ser colocados, não percebemos como é que em 2017 se reduzem quase 300 milhões de euros”, declarou à agência Lusa o líder da Fenprof, Mário Nogueira, à saída do ministério.

A delegação sindical foi recebida por uma representante da equipa negociadora do Ministério da Educação, com o qual a estrutura pretende começar já as conversações para rever o regime dos concursos destinados a colocar os professores nas escolas.

A este respeito, os representantes sindicais manifestaram-se preocupados com o adiamento das negociações por dois meses, dadas as implicações no Orçamento do Estado, que estará então já aprovado.

“Não é admissível desencadear este processo nos meses de natal e ano novo. Não são estes os momentos de negociação, porque esta deverá ser sempre acompanhada pelos professores nas escolas, até porque não são só os dirigentes sindicais a decidi-las”, disse Mário Nogueira.

No próximo ano, frisou, todos os 110.000 professores podem ir a concurso: “Iniciar este processo depois de aprovado o Orçamento do Estado, em absoluto, significa que poderá pôr em causa aspetos como a vinculação de professores”.

Neste sentido, a federação propôs ao ministério que possam ser realizadas reuniões prévias à apresentação da proposta de articulado por parte da tutela, com vista a identificar divergências o mais cedo possível para facilitar as negociações.

A par das reuniões sobre estas questões, que gostaria de ver avançar na próxima semana, a Fenprof decidiu hoje continuar a agir noutras áreas, nomeadamente com a entrega de uma petição na Assembleia da República, com milhares de assinaturas, em defesa do descongelamento das carreiras.

A entrega do documento está prevista para quinta-feira, adiantou Mário Nogueira, referindo que outras ações terão lugar este mês e no próximo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.