"Elogiamos as autoridades argentinas pelos esforços para avançar com o programa de reformas económicas, incluindo o apoio político para a aprovação do orçamento. A implementação sólida do plano do Governo é essencial para promover a recuperação da atividade económica em 2019", afirmou o chefe da missão do FMI na Argentina, Roberto Cardarelli.

"A nova orientação de política monetária do Banco Central da República Argentina em outubro foi eficaz a estabilizar os mercados financeiros depois da volatilidade extrema registada em agosto e setembro", destacou.

A missão do FMI liderada por Cardarelli manteve encontros em Buenos Aires entre 09 e 16 de novembro com as autoridades argentinas.

"Os dados recentes sugerem que os objetivos orçamentais para 2018 serão alcançados (...). A eliminação do défice primário é um passo necessário para reduzir as necessidades de financiamento do Governo e colocar a relação dívida/PIB numa trajetória descendente", acrescentou.

Apesar da medida estar sujeita à aprovação formal da administração do FMI, que vai discutir o assunto nas próximas semanas, não se espera qualquer objeção ao desembolso de 7.600 milhões de dólares.

Em finais de outubro, o FMI aprovou alargar a assistência financeira solicitada pela Argentina para 56.300 milhões de dólares. Em junho, o empréstimo tinha sido fixado em 50.000 milhões.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.