"O desejo do Governo é uma solução de mercado. A intervenção é uma condição extrema. Mas não podemos ficar ausentes. (...) Esse plano tem que estar pronto em caso de um eventual insucesso da Oi", declarou Juarez Quadros, em entrevista ao jornal brasileiro Globo hoje, no dia da sua tomada de posse na Anatel.

O novo presidente do regulador brasileiro de telecomunicações adiantou que o grupo de trabalho envolve os ministérios da Fazenda (Finanças), do Planeamento, Casa Civil e Advocacia Geral da União, sob coordenação da Anatel.

"Já fizemos uma reunião e ficou decidido que a operação (a recuperação judicial da Oi) não terá recurso público como forma de solucionar o problema. Outra questão é que tem que se garantir a continuidade do serviço", referiu.

Recusando-se a dizer em que fase está o plano, porque "é um ato muito delicado e precisa de cuidado", Juarez Quadros disse apenas que a primeira reunião do grupo foi com o Banco do Brasil, com a Caixa Económica Federal e o Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES), instituições públicas na lista de credores da Oi.

"Esse grupo vai ao juiz [responsável pelo processo de recuperação] com um discurso unificado. Um credor privado pode dar desconto da dívida. O credor público, não. Além disso, as informações que estão lá foram todas prestadas pela empresa. A Anatel, por exemplo, vai lá para apontar os números corretos das multas aplicadas", afirmou o mesmo responsável, em entrevista ao jornal Folha de São Paulo.

Ao jornal Globo, o presidente da Anatel afirmou ainda que o regulador "não tem prazo" para dar a anuência ao pedido da Oi de alteração societária e à indicação de novos membros para o conselho de administração.

Em causa está o acionista minoritário Société Mondiale, que conta com 6,32% das ações da companhia, e os nomes sugeridos para conselheiros: Hélio Costa, ex-ministro das Comunicações, e Demian Fiocca, ex-presidente da BNDES.

O antigo ministro das Comunicações do Executivo de Fernando Henrique Cardoso disse ainda que o atual modelo regulatório precisa de ser atualizado.

A alteração legislativa permitirá que concessionárias de telefone fixo, como a Oi, deixem de ter uma concessão passando a ter uma autorização, como acontece hoje com as operações de rede móvel.

"Essa mudança no regime de outorga vai permitir aumentar os investimentos no setor", defendeu.

Em entrevista ao jornal Valor Económico, Juarez Quadros comentou qua crise da Oi poderia ter sido evitada, criticando a criação da empresa, em 2008, quando se deu a fusão da então Telemar com a Brasil Telecom.

"Há um desastre económico que precisa de ser esclarecido (...). A operação [de fusão das duas operadoras] não teve nada de ilegal, mas permitiu que duas empresas altamente endividadas se juntassem", comentou.

A Oi - detida em 27% pela portuguesa Pharol (antiga PT SGPS) - enfrenta um processo de recuperação judicial, que inclui um total de 65,4 mil milhões de reais (18,48 mil milhões de euros) de dívidas.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.