Tiago Brandão Rodrigues foi hoje questionado pelos jornalistas sobre a situação nesta escola - encerrada em 26 de janeiro por chover dentro das salas, tendo sido retomadas as aulas parcialmente na segunda-feira - assumindo que é algo que preocupa o Governo desde a tomada de posse, sendo "preciso agora atuar".

"Fizemos uma pequena intervenção para poder alocar um conjunto significativo dos alunos que na semana passada viram as suas atividades letivas interrompidas. Agora há o trabalho a fazer para que a grande intervenção que a Alexandre Herculano merece possa verdadeiramente ser feita", disse.

Segundo o ministro da Educação, o Governo está a trabalhar "para que isso aconteça e obviamente a calendarização de uma intervenção desta natureza é feita sempre a médio, longo prazo".

"Mas tem que ser, primeiro, criadas as condições para que as atividades letivas aconteçam e, segundo, para que esta requalificação possa ser feita com a dignidade que a Alexandre Herculano merece", defendeu.

Tiago Brandão Rodrigues deixou críticas ao anterior Governo PSD/CDS e recordou que, em relação à base do edificado escolar que este Governo encontrou, "houve um baixíssimo investimento, para não dizer nulo" na "manutenção e na reabilitação das escolas no período 2011-2015", o que "agravou as condições físicas" das escolas.

"Em 2016 foi possível começar a atuar e houve um início deste esforço de investimento. Por outro lado, existia um pacote substancial de dinheiro associado ao Portugal 2020 que implicava, nas obras que são da exclusiva responsabilidade do Ministério da Educação, que estavam no papel. O anterior governo tinha esta opção, mas nunca o tinha tirado do papel", referiu.

Na opinião do governante, "generosamente, muitas câmaras municipais chegaram-se ao Ministério da Educação" e foi possível celebrar mais de 90 acordos com as câmaras municipais, que permitem neste momento haver mais de 150 requalificações já assinadas, havendo ainda um conjunto de 50 outras escolas nas quais se está a trabalhar para que haja a requalificação.

"Em 2017, este esforço acontecerá não só por via do Portugal 2020 - muitas dessas requalificações já começaram no terreno e estão a acontecer. Outras acontecerão e começarão durante o início de interrupção letiva, o que é facilmente entendível", antecipou.

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, tinha anunciado hoje que se vai reunir com o ministro da Educação "nos próximos dias" no Porto, esperando que o governante "traga uma solução" para a escola Alexandre Herculano.

Rui Moreira, que falava esta manhã na 3.ª edição do Eco Talks, que decorreu pela primeira vez no Porto, reafirmou que o município não aceita ser o dono da obra de reabilitação daquela escola "relevante para a cidade", que é da responsabilidade do Estado.

A candidatura aos seis milhões de euros de fundos comunitários para a Alexandre Herculano tem de ser apresentada até 30 de junho pela Parque Escolar ou pela Câmara do Porto em acordo com a tutela, indica o regulamento do programa operacional regional Norte 2020 para obras em escolas, cujo concurso foi aberto em fevereiro de 2016.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.