“O Governo de Timor-Leste, em nome do povo timorense, apresenta as suas condolências ao Presidente Raúl Castro e manifesta a sua solidariedade para com o povo cubano”, refere um comunicado do executivo timorense.

“Fidel Castro foi uma inspiração para muitos timorenses durante a luta pela autodeterminação e um apoiante ativo do desenvolvimento de Timor-Leste após a restauração da independência”, sublinha.

O Governo recorda que Fidel Castro foi agraciado em 2010 com o Grande Colar da Ordem de Timor-Leste, “pelo apoio do seu país nas áreas da saúde e educação”, tendo a condecoração sido entregue a Raúl Castro, em nome do seu irmão, por José Ramos-Horta.

“O ex-primeiro-ministro, Xanana Gusmão, recorda o Comandante-em-Chefe Fidel Castro como um amigo querido e respeitado. Neste momento de luto, o Governo recorda o papel do Comandante-em-Chefe Fidel Castro e a sua amizade resoluta em relação a Timor-Leste”, refere.

A cooperação institucional entre Timor-Leste e Cuba – “caracterizada pelo respeito mútuo, amizade e boa vontade” – começou depois de uma reunião em fevereiro de 2003, na Malásia, em que Fidel Castro se reuniu com uma delegação timorense que incluía Xanana Gusmão, José Ramos-Horta e Mari Alkatiri.

“Timor-Leste expressa a sua gratidão a Fidel Castro e ao povo cubano pelas brigadas de profissionais de saúde que trabalham em Timor-Leste, pela concessão de 1.000 bolsas de estudo em Medicina em Cuba para jovens timorenses, pela assistência técnica na eliminação do analfabetismo e pelas parcerias na área do desporto”, recorda o Governo em Díli.

O atual primeiro-ministro timorense, Rui Araújo, esteve em Cuba no ano passado, tendo-se reunido com o presidente Raúl Castro, a quem “expressou a sua gratidão e solidariedade”.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.