O maior empréstimo tem o valor total de 1,7 milhões de euros e destina-se a “financiar investimentos que potenciem e valorizem a utilização dos recursos geotérmicos”, nomeadamente projetos de “desenvolvimento e expansão da rede de distribuição de calor” ou “ligação de novos utilizadores à rede de distribuição de calor”.

O executivo considera que entre os eventuais interessados em usarem a energia geotérmica para fins térmicos e para geração de eletricidade estão termas ou municípios e setores de turismo, indústria, agricultura e aquacultura.

Já as outras linhas de financiamento, segundo o Governo, visam financiar estudos técnicos ou científicos “para o país ficar a conhecer melhor os seus recursos geotérmicos”.

Em causa estão 300 mil euros “para avaliar o potencial de exploração dos recursos hidrotermais e geotérmicos acima dos 25 graus centígrados” e mais 100 mil euros para “elaboração de cartografia geotérmica para integração e atualização do Atlas Geotérmico Nacional”.

Estas linhas serão operacionalizadas através do Fundo de Apoio à Inovação (FAI).

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.