Nos dois países vizinhos, dezenas de incêndios florestais implicaram a evacuação de centenas de localidades ameaçadas pelas chamas. Ao som dos alarmes de evacuação, os habitantes de muitas localidades do sul e leste da Turquia têm empilhado poucos pertences e têm sido retirados por mar, em embarcações dos guardas-costeiros turcos mobilizados no porto de Oren, sul do país. Outros têm sido conduzidos por via terrestre.

Nas proximidades, a central térmica de Milas, que armazena milhares de toneladas de carvão, tem suscitado apreensão, ao permanecer ameaçada por um fogo atiçado pelo vento. Hoje, a autoridade regional indicou que “todos os produtos químicos explosivos” foram retirados deste complexo estratégico.

Segundo indicou o gabinete do Presidente turco Recep Tayyip Erdogan, uma inspeção inicial revelou que o fogo, que se aproximou da central durante a noite, não provocou “danos sérios nas unidades principais”.

A Grécia também tem sido confrontada com incêndios que os peritos relacionam sem equívoco ao aquecimento global, com temperaturas que têm oscilado entre os 40 e os 50 graus.

"Se há ainda quem se questione sobre a realidade do aquecimento global, que venham ver aqui a intensidade desse fenómeno”, declarou o primeiro-ministro grego Kyriakos Mitsotakis na cidade de Olímpia, no oeste do Peloponeso, onde deflagrou um preocupante incêndio.

Os bombeiros esforçavam-se hoje de proteger a zona arqueológica envolvente, onde decorreram os primeiros jogos olímpicos da antiguidade. A cidade da Antiga Olímpia, habitualmente repleta de turistas nesta altura do ano, e outras sete localidades nas imediações foram evacuadas na quarta-feira.

“Efetuamos um esforço titânico em diversas frentes”, declarou, na quarta-feira, o ministro-adjunto grego da Proteção civil, Nikos Hardalias, citado pela agência noticiosa AFP.

A capital Atenas também permanecia envolta em fumo, devido a um incêndio que se reativou, enquanto era determinado um inquérito para detetar a sua origem.

A 200 quilómetros da capital, um outro fogo descontrolado continua a consumir floresta e vegetação na ilha de Eubeia, onde diversas povoações e um mosteiro estavam cercados pelas chamas, depois de as populações terem sido retiradas para locais mais seguros.

Nos incêndios que têm deflagrado no sul da Turquia, pelo menos oito pessoas morreram e dezenas foram hospitalizadas. Na Grécia, apenas têm sido registados feridos ligeiros.

Nas últimas 24 horas, mais de 110 incêndios assolaram as florestas da Grécia. Na Turquia, registaram-se 180 desde o final de julho.

Segundo o Copernicus, o Observatório da Terra da UE, o mês de julho foi o segundo mais quente jamais registado na Europa.

“Estamos numa fase de desregulação climática absoluta”, lamentou esta semana o vice-ministro da Proteção civil, Nikos Hardalias. Nesta situação, “já não falamos de alteração climática, mas de ameaça climática”, acrescentou o membro do Governo conservador grego.

Por sua vez, o ministro turco da Agricultura, Bekir Pakdemirli, optou por alertar para uma situação “de guerra”.

Nos dois países, as autoridades locais têm enfrentado a pressão das populações locais, que consideram insuficientes os meios de combate aos incêndios.

“Apelamos às autoridades para reforçarem as forças aéreas e terrestres para que não se ponha em risco vidas humanas”, declarou o responsável municipal de Limni, na ilha de Eubeia.

Na Turquia, a opinião pública criticou o Presidente Erdogan por não ter mantido a frota de aviões cisterna e por ter prolongado a ajuda internacional.

Erdogan acusou por sua vez a oposição de tentar extrair um benefício político da situação. “Os fogos florestais são uma ameaça internacional semelhante à pandemia de covid-19”, argumentou.

No sul da Turquia, a minoria curda também tem sido alvo de ataques racistas, alimentados pelos rumores sobre o seu envolvimento nos incêndios, sugeridos também por Erdogan.

Perante a prevalência dos fogos, a Comissão Europeia anunciou hoje que a Suécia, França Áustria e Bulgária vão aumentar o apoio da UE para ajudar a extinguir os fogos na Grécia, e ainda da vizinha Macedónia do Norte.

“A UE está a enviar meios de extinção de incêndios adicionais para a Grécia e Macedónia do Norte para apoiar a resposta local”, indicou na rede social Twitter o comissário europeu da Gestão de crises, Janez Lenarcic.

Na quarta-feira, Bruxelas anunciou que aviões de Chipre estavam a prestar apoio à Grécia, além de uma equipa de bombeiros. Indicou igualmente que a Eslovénia iria enviar uma equipa de 45 bombeiros para a Macedónia do Norte.

O Mecanismo de proteção civil da UE está destinado a reforçar a cooperação entre os Estados-membros da União e outros seis países participantes, no âmbito da proteção civil com o objetivo de melhorar a prevenção, preparação e resposta perante catástrofes.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.