Um navio da marinha grega e três navios mercantes próximos ainda estavam hoje à procura de cerca de 25 a 45 pessoas dadas como desaparecidas depois do barco que as tinha transportado da costa turca de Antalya para Itália ter virado na madrugada de quarta-feira.

A guarda costeira grega disse não ter localizado mais sobreviventes desde que 29 homens do Afeganistão, Irão e Iraque foram resgatados pouco depois de o barco ter afundado a cerca de 33 milhas náuticas (38 milhas; 61 quilómetros) a sudeste da ilha de Karpathos e a cerca de 38 milhas náuticas a sul de Rodes.

Os sobreviventes disseram às autoridades que havia um total de 60 a 80 pessoas a bordo do barco.

Dois dos sobreviventes foram retirados do mar por um helicóptero da força aérea e voaram para Karpathos, enquanto os restantes 27 foram apanhados por um navio mercante e transportados para a ilha de Kos, onde chegaram na quarta-feira à tarde, informou a guarda costeira.

Entretanto, a guarda costeira turca disse que na quarta-feira tinha resgatado cinco pessoas depois de um barco que transportava migrantes ter afundado a 40 milhas náuticas (46 milhas, 74 quilómetros) a sul da ilha grega de Rodes e que as autoridades turcas enviaram um navio mercante para a zona, que recolheu 27 sobreviventes.

A guarda costeira de nenhum dos países mencionou os esforços de salvamento do outro, e a guarda costeira turca não especificou para onde o navio mercante navegou depois de ter apanhado as 27 pessoas, mas eram provavelmente os mencionados pela guarda costeira grega a bordo do navio que navegou para Kos, afirma a AP.

As autoridades gregas disseram que afundamentos em águas internacionais estavam dentro da área de responsabilidade de busca e salvamento da Grécia. A guarda costeira da Turquia disse que estava a efetuar a sua própria busca e salvamento na região turca.

Não ficou imediatamente claro porque é que o barco afundou, mas as condições meteorológicas na zona eram ásperas, com ventos fortes e mares agitados, disseram as autoridades.

A rota marítima mais comum para os requerentes de asilo do Médio Oriente, Ásia e África tem sido da Turquia para as ilhas gregas vizinhas no Mar Egeu.

Mas com as autoridades gregas a aumentar as patrulhas na área e a enfrentar relatórios persistentes de deportação sumária de recém-chegados à Turquia sem lhes permitir pedir asilo, muitos estão agora a tentar a rota muito mais longa, e mais perigosa, diretamente para Itália. As autoridades gregas negam a realização de deportações sumárias ilegais de requerentes de asilo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.